|SNTCT

Sindicato percorre o País contra destruição dos CTT

A partir de 29 de Agosto, e até meados de Setembro, prosseguem as acções de esclarecimento e denúncia do SNTCT junto das populações e eleitos autárquicos.

Os CTT foram totalmente privatizados em 2014, pelo governo do PSD e do CDS-PP
CréditosManuel Almeida / Agência Lusa

Em causa, admite o Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT/CGTP-IN) num comunicado, está a necessidade de «dar a volta» e «parar a destruição» do que resta de bom e do «excelente serviço» que os CTT já prestaram, bem como do seu «capital mais importante», ou seja, os seus funcionários. 

Neste sentido, desde o passado dia 16 de Agosto que o SNTCT está a levar a cabo acções públicas nas capitais de distrito e regiões autónomas. Para os próximos dias estão agendadas iniciativas nos distritos do Centro: Aveiro e Viseu (29 de Agosto), Guarda e Castelo Branco (30 de Agosto), e Coimbra (31 de Agosto). 

A estrutura sindical defende a reposição nos Correios, «criminosamente privatizados», de um conjunto de aspectos, a começar pelo serviço público postal de qualidade. «Apesar de o primeiro-ministro e o Governo terem recusado a renacionalização dos CTT, desautorizado a Anacom e terem dado, de mão-beijada, aos accionistas dos CTT, um contrato de prestação do Serviço Postal Universal leonino para os últimos, o decréscimo na qualidade do serviço prestado está à vista de todos» e as sucessivas multas do regulador, «por incumprimento dos padrões mínimos de qualidade são disso a prova», refere-se na nota. 

Acrescenta-se a necessidade de «prover trabalhadores em número suficiente», nas ruas e balcões. Actualmente faltam, a nível nacional, mais de 750 carteiros e 250 técnicos nos balcões. «Os giros dobrados há meses, os balcões vazios há outros tantos, os trabalhadores esgotados e a quem ainda tentam restringir o gozo de férias com a família, tudo isto tem que ter um fim», defende o sindicato. 

No texto alerta-se igualmente para a necessidade de melhores condições de trabalho para todos os trabalhadores, «sujeitos à "lei da rolha"», não podendo dizer, por exemplo, que o correio que estão a distribuir com atraso (por vezes de semanas) teria sido distribuído a tempo e horas se não tivessem visto os seus giros acrescentados por extinção de outros e se cada giro tivesse um carteiro titular.

O SNTCT defende que a administração dos Correios tem que negociar/pagar salários que respeitem a qualificação profissional de cada trabalhador. Afinal de contas, com mais de 38 milhões de euros de lucro em 2022, «em que 36 milhões foram directa ou indirectamente para o bolso dos accionistas», a administração da empresa aplicou, unilateralmente, um aumento de 7,50 euros a cada trabalhador. 

Por outro lado, «a gestão privada dos CTT tem que acabar com a lamúria de, diz, não ter quem queira trabalhar na empresa, fundamentalmente os jovens», uma vez que «lhes oferece trabalho só para o Verão e, pasme-se, quando mesmo assim algum jovem ou menos jovem se lhes dirige, só lhes oferecem uma ou duas semanas de trabalho, quando não são dois ou três dias». 

O SNTCT critica também o «assédio moral» por parte da administração, que «tenta menorizar» trabalhadores com carreiras longas para os levar a sair da empresa, com graves penalizações. 

Tópico