|OE2022

«Há condições e meios» para responder aos problemas que o País vive

A falta de resposta aos problemas nacionais emergentes, apesar de haver «condições e meios para lhes responder», levou o PCP a anunciar que vai votar contra o Orçamento para 2022.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, durante o debate quinzenal na Assembleia da República, em Lisboa. 1 de Fevereiro de 2018
CréditosAntónio Cotrim / Agência Lusa

Pela voz do seu secretário-geral, o PCP anunciou hoje que vai votar contra o Orçamento do Estado (OE) na generalidade, na próxima quarta-feira. «Face ao quadro de compromissos e sinais dados, o PCP votará contra este Orçamento do Estado», anunciou Jerónimo de Sousa.

O dirigente comunista salientou que Portugal «não precisa de um orçamento qualquer», mas antes de respostas aos problemas «que se avolumam à medida que não são enfrentados», sublinhando que «há condições e meios para lhes responder». 

Mais do que aquilo que a proposta contempla, o PCP insurge-se sobre o que nela falta, designadamente o aumento geral dos salários, a revogação da caducidade da contratação colectiva, a valorização das carreiras, a defesa do Serviço Nacional da Saúde (SNS), a estabilidade no emprego e na habitação como forma de promover a natalidade e, entre outras medidas reclamadas pelos comunistas, o combate à pobreza dos idosos. 

«Não há futuro para um País baseado em baixos salários», vincou Jerónimo de Sousa, salientando a necessidade de «fazer justiça a quem construiu este País com uma vida inteira de trabalho», com medidas como a eliminação dos cortes das pensões nas longas carreiras contributivas, a construção de uma rede pública de lares e a reforma por inteiro com 40 ou mais anos de descontos.

A par de mais justiça fiscal, os comunistas reivindicam medidas capazes de dinamizar a actividade económica e valorizar a produção nacional, apoiando as micro, pequenas e médias empresas

«Não é compreensível que, sendo possível dar essa resposta, ela seja adiada, subordinando-a a critérios e opções que secundarizam os interesses dos trabalhadores e do povo e o desenvolvimento do País», frisou Jerónimo de Sousa. 

Hoje também, o PAN e as duas deputadas não inscritas anunciaram que se vão abster na votação do OE na generalidade, na próxima quarta-feira. Já ontem, o BE tinha anunciado a intenção de votar contra. 

Tópico