|Síria

EUA retiram da Síria nova caravana com petróleo saqueado

Segundo o ministro sírio do Petróleo e dos Recursos Minerais, as forças de ocupação norte-americanas e milícias aliadas saquearam, em média, 66 mil barris de crude por dia na primeira metade deste ano.

Viatura militar norte-americana junto a um poço de petróleo na província síria de Hasaka (imagem de arquivo)  
Créditos / PressTV

O Exército dos EUA escoltou, este domingo, 79 camiões-cisterna carregados com crude retirado dos campos petrolíferos do Nordeste da Síria para o vizinho Iraque, revelou a agência Sana.

As forças militares de Washington, em conjunto com as chamadas Forças Democráticas Sírias (FDS), assumiram o controlo dos campos de petróleo e gás nas províncias de Hasaka e Deir ez-Zor, e roubam com frequência o petróleo e os cereais de uma região rica, conhecida como Jazira.

Ontem, segundo revela a Sana, o petróleo saqueado seguiu para o Iraque – onde Washington também tem forças destacadas – através da passagem fronteiriça ilegal de al-Mahmudiya.

A mesma passagem foi usada para contrabandear 60 camiões-cisterna carregados com petróleo sírio para o Iraque, no passado dia 20.

Ao longo do mês de Agosto, centenas de camiões com petróleo foram escoltados pelas tropas norte-americanas para as suas bases no Iraque, através de al-Mahmudiya ou al-Walid.

De acordo com as autoridades sírias, a crise que se vive no país agravou-se com a intensificação da guerra económica, em se incluem o bloqueio e as sanções impostos pelos EUA e seus aliados. A isto acresce o facto de que as forças de ocupação norte-americanas e as suas milícias mercenárias dominam 90% das zonas de produção petrolífera.

Antes da guerra, em 2011, a Síria produzia cerca de 400 mil barris diários de crude, segundo dados divulgados pelo Ministério do Petróleo em Dezembro último. Actualmente, é obrigada a importar petróleo para satisfazer as necessidades domésticas.

83% da produção diária de crude roubada

O governo sírio tem denunciado repetidamente a presença ilegal das tropas norte-americanas, que classifica como uma ocupação, afirmando que as acções promovidas pelo Pentágono incentivam a actividade terrorista e desestabilizam o país.

No início de Agosto, o Ministério sírio do Petróleo e dos Recursos Minerais informou, no âmbito de uma reunião para discutir os resultados alcançados no primeiro semestre, que a produção petrolífera na Síria ascendeu a 14,5 milhões de barris, com uma produção média diária de 80 300 barris.

Destes, 14 200 foram entregues às refinarias, enquanto os restantes 66 000 foram «roubados pelas forças de ocupação dos EUA e seus mercenários dos campos petrolíferos na região oriental» do país, o que representa 83% da produção diária de crude.

Em missivas idênticas enviadas, no final de Agosto, ao secretário-geral da ONU e ao presidente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o Ministério sírio dos Negócios Estrangeiros estima que as perdas directas e indirectas causadas ao país árabe pela ocupação norte-americana, até ao final do primeiro semestre deste ano, tenham um valor de 107,1 mil milhões de dólares.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui