|Correios

CTT: Milhões de lucro e falhas no serviço

O anúncio de que o lucro dos CTT no ano passado mais do que duplicou face a 2020, para 38,4 milhões de euros, surge poucos dias depois de a Anacom relatar falhas em vários centros de distribuição.

CréditosAntónio Cotrim / Agência Lusa

Os CTT obtiveram no ano passado um resultado líquido consolidado de 38,4 milhões de euros, «21,7 milhões de euros acima do obtido em 2020», refere a empresa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

No período em análise, os rendimentos operacionais subiram 13,8% para 847,9 milhões de euros, «reflectindo um consistente processo de transformação do negócio com menor dependência do correio tradicional», sendo que esta tendência «foi sustentada pelo crescimento da área Expresso e Encomendas (+32,5% face a 2020), do Banco CTT (+20,4% face a 2020) e dos serviços financeiros e retalho (+11%)». 

Desde a privatização da empresa, que em Janeiro propôs aumentos salariais de 13 cêntimos, que o registo de lucros e distribuição de dividendos tem convivido com o encerramento de estações e a livre degradação do serviço postal.

Apesar disso, o Governo não só tem rejeitado a renacionalização da empresa, reivindicada por trabalhadores e utentes, como decidiu atribuir, em Fevereiro, um novo contrato de concessão por um período de sete anos, que o Tribunal de Contas entendeu por bem dispensar de visto

No início desta semana, a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) divulgou o resultado de 22 acções de fiscalização em 13 centros de distribuição postal, entre Julho de 2021 e Janeiro deste ano. Segundo confirmou então a Anacom, existem «demoras significativas no encaminhamento do correio prioritário e correio normal, assim como a ausência de distribuição postal em certos giros em determinados dias, situações que perduram por períodos de tempo bastante alargados».

Para o regulador, os CTT deviam corrigir as deficiências verificadas «o mais urgentemente possível», pondo termo aos atrasos na distribuição do correio que chega diariamente a cada um dos centros de distribuição. 

A degradação do serviço postal não é novidade para os utentes e tampouco para a Anacom, que em 2020 chegou a determinar a descida dos preços devido ao incumprimento de indicadores de qualidade.

Tópico