|cooperação

«O Sul Global já não é uma maioria silenciosa», afirma diplomata chinês

Na cidade russa de Nizhny Novgorod, Wang Yi destacou que «o Sul Global já não é uma maioria silenciosa, mas uma nova força desperta».

Wang Yi intervém no Diálogo dos Ministros dos Negócios Estrangeiros do BRICS com os Países em Desenvolvimento (BRICS+) Créditos / @chinaorgcn

A afirmação do diplomata chinês foi proferida ao intervir no Diálogo dos Ministros dos Negócios Estrangeiros do Grupo BRICS com os Países em Desenvolvimento (BRICS+), esta terça-feira.

Wang disse que, para os países desse bloco, o BRICS+ funciona como uma plataforma vital de diálogo em relação aos mercados emergentes e aos países em desenvolvimento.

«Há muito que é uma força dinâmica para o desenvolvimento dos BRICS e tornou-se uma bandeira da cooperação Sul-Sul», frisou, citado pela Xinhua.

O encontro em Nizhny Novgorod (ou Níjni Novgorod) contou com a participação de representantes dos dez países do BRICS e de «12 países em desenvolvimento e com influência regional» – Tailândia, Vietname, Laos, Bangladesh, Sri Lanka, Cazaquistão, Bielorrússia, Turquia, Mauritânia, Cuba, Venezuela e Bahrein.

«Estamos numa época de agitação e caos», frisou Wang, referindo-se aos conflitos que se arrastam na Ucrânia e na Palestina, e aos desafios que se colocam à cibersegurança e ao ambiente. 

No mesmo contexto, o diplomata alertou que, «para manter a sua hegemonia unipolar, um certo país está a juntar os seus aliados para aplicar sanções unilaterais e erguer altas barreiras proteccionistas, além de utilizar as medidas económicas e financeiros como armas».

«A divisão Norte-Sul continua a aumentar e a recuperação económica mundial enfrenta reveses», disse ainda Wang, notando, ainda assim, que «a ascensão colectiva dos mercados emergentes e dos países em desenvolvimento» promove de forma significativa «o processo rumo a um mundo multipolar».

«Está a emergir uma nova onda de revoluções tecnológicas e transformações industriais, que levam um grande número de países para uma via de desenvolvimento rápido», destacou, citado pela Xinhua.

Venezuela e Rússia assinam acordo para neutralizar efeitos das sanções

À margem do encontro dos ministros dos Negócios Estrangeiros do Grupo BRICS e do diálogo entre estes e os países em desenvolvimento, Nizhny Novgorod foi palco de intensa actividade diplomática bilateral.

Serguei Lavrov e Yván Gil assinam um memorando de entendimento em Nizhny Novgorod / @yvangil

Exemplo disso foi o encontro mantido entre o ministro venezuelano dos Negócios Estrangeiros, Yván Gil, e o seu homólogo russo, Serguei Lavrov, no qual ambos decidiram avançar para a criação de mecanismos que neutralizem as medidas coercivas unilaterais impostas pelos EUA e seus aliados europeus.

Para esse efeito, subscreveram um memorando de entendimento que permitirá estabelecer mecanismos financeiros e logísticos imunes à ingerência externa e reforçar a cooperação bilateral em áreas como agricultura, medicina, energia e tecnologias avançadas, revelou o diplomata venezuelano na sua conta de Twitter (X).

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui