|Índia

Índia: trabalhadores comunitários da saúde sem apoios na vida e na morte

No estado de Haryana, centenas de trabalhadores foram infectados na vaga mais recente da pandemia, pelo menos dez morreram e, denuncia o CITU, as famílias não receberam o seguro anunciado pelo governo.

Trabalhadoras comunitárias da saúde com a <em>dupatta</em> enrolada à volta do nariz e da boca, para servir de protecção 
Trabalhadoras comunitárias da saúde com a dupatta enrolada à volta do nariz e da boca, para servir de protecção Créditos / newsclick.in

Só no estado de Haryana (Norte da Índia) há dezenas de milhares de ASHA (accredited social health activist), trabalhadores comunitários da saúde que desempenham um papel central na chamada e muito louvada «linha da frente» contra a Covid-19. Louvores não faltam; mas a conversa é outra no que respeita a materias sanitários e a apoios, em vida e na morte.

Suman, uma trabalhadora comunitária da saúde de 36 anos, do distrito de Jhajjar, morreu no passado dia 30 de Abril, num hospital da cidade de Rohtak, devido à falta de oxigénio, dias depois de ter tido um resultado positivo num teste à Covid-19, segundo o seu marido, Bijender Kumar.

Kumar disse que a mulher não recebeu máscaras, luvas, equipamento de protecção sanitário e nem sequer gel para desinfecção. «Ela usava a dupatta [echarpe] à volta do nariz e da boca, e o gel fui eu que lho comprei no mercado», disse Bajinder.

O trabalho de Suman, que já tinha sido vacinada, consistia em andar de casa em casa a ratrear famílias que apresentassem sintomas, bem como em informar as pessoas sobre a doença e a importância de usar máscara e de lavar as mãos. Também visitava semanalmente as famílias de doentes infectados com Covid-19, para lhes entregar medicamentos, informa o portal newsclick.in.

O viúvo de Suman lembra que já passou mais de um ano desde que a pandemia lançou a Índia no caos e que estes trabalhadores da saúde, a quem tudo se pede, ainda não recebem equipamento de protecção ou subsídio de risco.

Recentemente, mais de 19 mil trabalhadores comunitários da saúde no estado de Haryana aderiram a um protesto nacional, convocado pelo Centro de Sindicatos Indianos (CITU). Os trabalhadores, revela o newsclick.in, pararam de trabalhar e manifestaram-se à porta dos centros de saúde e centros de atendimento primário, bem como das sedes dos ministros-chefes dos estados, para chamar a atenção para as «condições deploráveis» em que trabalham.

Trabalhadoras comunitárias da saúde, em Hisar (Haryana), durante uma jornada nacional de protesto contra os salários em atraso, a falta de equipamento de protecção e de subsídio de risco / newsclick.in

Dificuldade em receber compensações prometidas

Passou mais de um mês desde a morte de Suman e a família luta para conseguir que o dinheiro estique até ao fim do mês. Bijender está desempregado. Tem um búfalo e faz algum dinheiro com o leite que vende aos vizinhos. Ainda está à espera de que o governo central pague os cinco milhões de rupias de seguro que prometeu às famílias dos trabalhadores da saúde mortos no desempenho da profissão no contexto da pandemia.

«Dirigi-me ao gabinete do magistrado distrital de Jajjhar e foi-me categoricamente dito que a minha família não entra nos critérios para a atribuição do seguro», afirmou Kumar.

No distrito de Panchkula, a família de Kavita, outra trabalhadora comunitária da saúde que morreu com Covid-19, também não conseguiu beneficiar do seguro de compensação. A família mostrou relutância em falar ao newsclick.in, mas a sua colega Surekha, membro do CITU, disse que Kavita tinha tido positivo num teste à Covid-19 e teve de dar entrada num hospital, onde veio a falecer com um ataque cardíaco.

Provar que a morte está relacionada com a Covid ou nada de seguro

Suman e Kavita eram duas entre milhões de trabalhadores que sustentam o sistema de Saúde no terreno. De acordo com o CITU, centenas tiveram resultado positivo e pelo menos dez morreram só no estado de Haryana, e nenhuma das famílias recebeu a compensação que o governo de Modi anunciou o ano passado para estas situações.

Tanto num caso como noutro, revela o newclick.in, as famílias de Suman e Kavita não receberam nada porque foram incapazes de provar que havia uma relação entre as mortes e a doença, aguardando que os hospitais apresentem os documentos necessários ao seguro.

«Nem uma única família de uma trabalhadora morta neste contexto recebeu qualquer seguro. E os hospitais não estão a emitir certificados, recusando que a Covid seja a causa primeira da morte», disse Surekha, do CITU.

Tópico