|Síria

Ajuda chinesa alcança a Síria, acossada pelas sanções

A ajuda da China contra a Covid-19 chegou esta quinta-feira, dia em que sapadores do Exército desactivaram centenas de minas na região de Hama e em que Israel perpetrou um novo ataque contra o país árabe.

Equipamento médico chinês a ser descarregado no Ministério sírio da Saúde, em Damasco
Equipamento médico chinês a ser descarregado no Ministério sírio da Saúde, em Damasco CréditosAmmar Safarjalani / Xinhua

O Ministério da Saúde da Síria, país acossado pelas sanções do Ocidente, recebeu esta quinta-feira uma nova remessa de equipamento médico chinês, no âmbito da cooperação existente entre ambos os países na luta contra a Covid-19.

O material, em que se incluem máscaras, equipamento de protecção individual e desinfectantes, foi entregue às autoridades sírias pela Embaixada da China em Damasco, numa cerimónia que decorreu no Ministério da Saúde.

O ministro assistente do sector, Ahmad Khleifawi, valorizou o material recebido e expressou o agradecimento do povo sírio ao governo chinês. Por seu lado, o embaixador da China no país árabe, Feng Biao, garantiu a continuidade da cooperação com a Síria no sector da Saúde e, em particular, no que respeita à luta contra a pandemia, informa a agência Xinhua.

A remessa que ontem chegou a Damasco é a segunda enviada pela China para ajudar a Síria a combater o coronavírus. A 15 de Abril, o país do Extremo Oriente doou à Síria 2016 testes de detecção do vírus.

Centenas de minas desactivadas na província de Hama

Os sapadores do Exército Árabe Sírio (EAS) desactivaram mais de 700 minas espalhadas por grupos terroristas no Leste da província de Hama, sobretudo no município de Salamiyah e em ambos os lados da estrada de Ithriya.

As operações de limpeza prosseguem na região, onde dezenas de civis, muitos dos quais agricultores e pastores, perderam a vida devido ao rebentamento destes explosivos. No passado dia 31 de Maio, três civis morreram e pelo menos cinco ficaram feridos após a explosão de minas deixadas por terroristas no Sul e Centro do país, informa a Prensa Latina.

Os terroristas colocam habitualmente as minas perto de zonas residenciais e em campos agrícolas de onde se retiram, para assim impedir o avanço do Exército sírio e dificultar o regresso dos civis deslocados às regiões libertadas.

Sapadores russos e arménios têm ajudado a Síria nas operações de limpeza, em regiões como Palmira, Alepo e Deir ez-Zor.

Nova agressão de Israel contra a Síria

Aviões de combate israelitas atacaram com mísseis, a partir do espaço aéreo libanês, vários alvos no município de Masyaf, na parte ocidental da província de Hama.

Os alvos visados foram, de acordo com a imprensa local, instalações industriais do Ministério sírio da Defesa e do Centro de Estudos e Pesquisas Científicas. Uma fonte militar revelou que o ataque foi perpetrado ontem às 21h25 e que as defesas anti-aéreas, imediatamente activadas, destruíram a maior parte dos mísseis sionistas.

De acordo com a SANA e a Al-Masdar News, alguns mísseis atingiram as instalações de pesquisa, provocando danos materiais.

Telavive lança ataques frequentes contra território sírio, usando como pretexto a presença do Irão e do Hezbollah. As autoridades sírias afirmam que estes ataques visam debilitar o EAS, elevar o moral dos terroristas e prolongar a guerra.

Tópico