|Palestina

Israel prendeu 450 palestinianos em Agosto, incluindo 69 menores

No mês passado, as forças israelitas prenderam 450 palestinianos, incluindo 13 mulheres e 69 menores, quatro dos quais crianças entre os 10 e os 13 anos, revelou o Centro de Estudos dos Presos Palestinianos.

Forças de ocupação israelitas prendem um palestiniano na Margem Ocidental (imagem de arquivo)
Forças de ocupação israelitas prendem um palestiniano na Margem Ocidental (imagem de arquivo) CréditosAyman Ameen / Middle East Monitor

Em Gaza, registaram-se dez detenções, incluindo a de um pescador que foi capturado enquanto trabalhava no mar, declarou esta semana Riyadh Ashqar, investigador do Centro de Estudos dos Presos Palestinianos (CEPP).

Os israelitas prenderam ainda oito menores perto da vedação com que Israel isola o enclave costeiro palestiniano, referem nos seus portais o Middle East Monitor e o Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente (MPPM).

Ambas as fontes informam, com base nos dados do CEPP, que as forças de ocupação israelitas prenderam também dois fotojornalistas, Hassan Dabbous e Abdel Muhsen Shalaldeh, depois de terem invadido as suas casas e intimidado os seus filhos. Um palestiniano deficiente, identificado como Jarrah Naser, foi preso em Jerusalém.

Riyadh Ashqar revelou os nomes das quatro crianças palestinianas detidas por Israel, com idades compreendidas entre os dez e os 13 anos: Mohammed Najeeb (dez anos), Mahmoud Hajajreh (12), Ali Al-Taweel (13) e Yousef Abu Nab (13).

Uma das mulheres presas é uma cidadã jordana, detida na Passagem Al-Karameh. Uma outra é uma mulher palestiniana de 59 anos, presa pelas forças de ocupação israelitas durante uma visita ao seu filho, encarcerado na prisão de Hadarim, em Israel.

De acodo com a Addameer (Associação de Apoio e Direitos Humanos dos Presos), em Julho o número de presos palestinianos encarcerados em prisões israelitas era de 5150, incluindo 38 mulheres e 210 menores. Há ainda 460 palestinianos mantidos en detenção administrativa, um regime que permite ao Exército israelita manter uma pessoa presa sem julgamento nem acusação por um período de até seis meses, renovável indefinidamente, lembra o MPPM.

Huthayfa Halabiyah termina greve de fome depois de acordo sobre libertação

O prisioneiro palestiniano, que se encontrava há 67 dias em greve de fome contra o regime de detenção administrativa e tinha sido internado recentemente devido à grave condição clínica em que se encontrava, pôs fim ao protesto esta quinta-feira, depois de ter chegado a um acordo com as autoridades israelitas sobre a sua libertação, revela a agência WAFA, tendo por base a informação divulgada pelo chefe da Comissão dos Presos Palestinianos, Qadri Abu Baker.

Continuam em greve de fome, em protesto contra a detenção administrativa e exigindo a sua libertação: Ahmad Ghannam (há 54 dias); Sultan Khallouf (50); Ismail Ali (44); Tareq Qa'adan (37); Nasser al-Jada (30) e Thaer Hamdan (25).

Tópico