|Palestina

Treze palestinianos mortos por Israel em 15 dias

Um palestiniano de 45 anos foi morto por forças israelitas, este domingo, junto à localidade de Silwad. É o 13.º a ser morto por forças de Telavive desde o início do ano, no espaço de duas semanas.

Forças israelitas durante um raide na Cisjordânia ocupada (iamgem de arquivo) 
Créditos / PressTV

Em comunicado, o Ministério palestiniano da Saúde informou que Ahmad Hassan Kahla, de 45 anos, faleceu no hospital de Ramallah, depois de ser atingido por vários projécteis.

As forças israelitas alegaram que Kahla foi morto ao tentar agarrar a arma de um soldado e ao resistir a uma inspecção. No entanto, tanto testemunhas oculares como a imprensa palestiniana dão conta de uma discussão verbal entre o palestiniano e as tropas israelitas, que o obrigaram a sair da viatura em que se encontrava, antes de o atingirem com vários disparos.

Um filho de Ahmad Hassan Kahla, que também se encontrava no carro, foi atingido com gás pimenta, indica a PressTV.

O Ministério palestiniano dos Negócios Estrangeiros referiu-se ao caso como uma «execução atroz» e, num comunicado emitido este domingo, denuncia que Israel tornou mais «fácil para os soldados matar qualquer palestiniano sem que estes representem qualquer perigo para a ocupação».

Governo israelita ainda mais extremista e mais violência nos territórios ocupados

O portal The Cradle afirma que a situação na Palestina está a «chegar a um ponto de ebulição», com o governo recém-eleito de Netanyahu a pedir a anexação do pouco que resta da Palestina ocupada e os seus ministros a tomarem medidas e a levarem a cabo acções cada vez mais extremistas.

Com o status quo de Jerusalém sob ameaça e os palestinianos a serem alvo de violência crescente da parte do Exército e dos colonos israelitas, a resistência palestiniana está a aumentar e – destaca a fonte – espera-se que dispare ainda mais, sobretudo na Margem Ocidental ocupada.

É nesta região dos territórios ocupados que, como consequência dos raides israelitas e de vários confrontos, 13 palestinianos foram mortos em 2023, o último dos quais ontem.

Logo no dia 2, as forças israelitas mataram Mohammad Samer Houshieh, de 22 anos, e Fouad Mahmoud Abed, de 25, na aldeia de Kafr Dan.

Um dia depois deste raide, as tropas israelitas lançaram outro no campo de refugiados de Dheisheh, em Belém, onde mataram a tiro Adam Ayyad, de 15 anos.

A 5 de Janeiro, Amer Abu Zaytoun, de 17 anos, foi atingido com uma bala na cabeça por tropas israelitas, quando estas realizavam uma incursão no campo de refugiado de Balata, perto de Nablus.

No dia 11, Sanad Samamra, de 18 anos, que ferira com uma faca um colono israelita no colonato ilegal de Havat Yehuda, a sul de Hebron, foi morto pelo Exército israelita. No mesmo dia, Ahmad Abu Junaid, de 21 anos, foi morto a tiro no campo de refugiados de Balata, perto de Nablus.

No dia seguinte, Abdul Hadi Fakhri Nazzal, de 18 anos, e Habib Kamil, de 25, foram mortos a tiro por soldados em Qabatia, perto de Jenin. Também nesse dia, Sameer Aslan, de 41 anos, foi morto a tiro quando tentava impedir que o seu filho fosse detido, no campo de refugiados de Qalandiya.

No dia 13 de Janeiro, Ezzeddine Bassem Hamamra, de 24 anos, e Amjad Khaliliya, de 23, foram mortos a tiro quando confrontavam as forças de ocupação na localidade de Jaba, a sul de Jenin.

Um dia depois, um dos palestinianos feridos no raide a Kafr Dan, a 2 de Janeiro, Yazan Samer al-Jaabari, não resistiu aos ferimentos e faleceu.

De acordo com os dados recolhidos pela agência Wafa, em 2022 as forças israelitas mataram 224 palestinianos – 52 dos quais na Faixa de Gaza e os restantes da Margem Ocidental ocupada.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui