|Reino Unido

Multimilionário fez milhões a especular contra a libra esterlina, em 1992

Soros investe em campanha para subverter referendo do «Brexit»

O especulador George Soros deu 400 mil libras (quase meio milhão de euros) a uma campanha que pretende anular o resultado do referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia desde Junho de 2017.

George Soros, o 22.º mais rico do mundo, usou a sua fortuna nos últimos 20 anos para financiar o anti-comunismo no Leste europeu e a desestabilização por todo o mundo, como na ex-Jugoslávia ou em Angola
George Soros, o 22.º mais rico do mundo, usou a sua fortuna nos últimos 20 anos para financiar o anti-comunismo no Leste europeu e a desestabilização por todo o mundo, como na ex-Jugoslávia ou em AngolaCréditosMichael Wuertenberg / CC BY-NC-SA 2.0

O multimilionário reconheceu, num texto publico hoje pelo Mail on Sunday, o contributo para a campanha «Best for Britain» desde as eleições do ano passado no Reino Unido. O objectivo é travar a vontade expressa nas urnas pelos britânicos a 23 de Junho de 2016, de saída da União Europeia, e reverter o Brexit.

Soros tem dupla nacionalidade, húngara e norte-americana, mas fez grande parte da sua fortuna com o Reino Unido. Em 1992, na chamada «quarta-feira negra», lucrou mais de mil milhões de dólares a apostar contra a libra estrelina. A queda abrupta da cotação da moeda britânica provocou mesmo a saída do país do Mecanismo Europeu de Taxas de Câmbio, ao qual tinha aderido menos de dois anos antes.

O dinheiro terá chegado através da Fundação Open Society, que Soros utiliza para financiar várias organizações políticas por todo o mundo, como na Ucrânia, em 2014, aquando do golpe que levou ao actual conflito no leste do país, à subida ao poder de forças de extrema-direita e à ilegalização do Partido Comunista da Ucrânia. Anos antes, já tinha investido largas centenas de milhões de dólares na desestabilização dos países socialistas do Leste europeu e esteve associado à destruição da Jugoslávia.

Também em Angola, George Soros tem aplicado a sua fortuna na desestabilização. O activista Rafael Marques assumiu recenetemente ter sido pago durante vários anos pela Open Society e ter recebido uma oferta directamente de Soros no valor de 500 mil dólares.

Tópico