|Reino Unido

Reino Unido: central sindical critica elevadas taxas de juro

Referindo-se à 12.ª subida consecutiva das taxas de juro pelo Banco de Inglaterra, o secretário-geral do Congresso dos Sindicatos (TUC) disse que a decisão «irá agravar a actual situação».

Banco de Inglaterra 
Banco de Inglaterra CréditosNeil Hall / The Guardian

O Banco de Inglaterra anunciou a subida das taxas de juro pela 12.ª vez consecutiva, esta quinta-feira, fixando-a em 4,5% – a mais elevada desde 2008.

A subida beneficia o capital financeiro, aumenta os lucros da banca e coloca uma pressão insustentável sobre milhões de britânicos que contraíram empréstimos.

Neste sentido, Paul Nowak, dirigente do TUC, afirmou que a medida faz «mais mal que bem» e «agravará a actual situação».

Em seu entender, devia ser dada prioridade à «protecção das condições de vida, à dinamização da economia e à defesa do emprego».

«A melhor maneira de alcançar este objectivo é com aumentos salariais decentes aos trabalhadores, que acompanhem o custo de vida», acrescentou, citado pelo periódico Morning Star.

Por seu lado, a organização Positive Money, com sede em Londres e Bruxelas, sublinhou que o Banco de Inglaterra «não está a ver bem a situação».

Fran Boait, co-directora executiva do organismo, disse que «centenas de milhares de famílias não conseguiram pagar a renda ou as hipotecas, no mês passado, devido às taxas de juro cada vez mais altas».

«Os únicos beneficiários das subidas das taxas são os bancos», frisou, defendendo que «está na hora de pôr um travão a esta situação e ajudar as famílias a lidar com os custos de vida crescentes, e não impor-lhes custos adicionais».

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui