|Saara Ocidental

A paz nos territórios saarauís ocupados «é urgente e necessária»

O apelo é do Movimento Democrático de Mulheres (MDM), que se associou a diversas organizações internacionais para exigir medidas urgentes para fazer face à situação de guerra e fome imposta por Marrocos.

Manifestantes saarauís pela independência do Saara Ocidental
Manifestantes saarauís pela independência do Saara OcidentalCréditos / arainfo.org

Num documento subscrito por diversas organizações e personalidades, apela-se à solidariedade com «a luta pela independência e a liberdade» daquele povo contra a guerra e o ocupante, Marrocos.

O apelo denuncia o que se vive nas prisões marroquinas e nos campos de refugiados, em particular na sequência do passado dia 13 de Novembro de 2020, «quando Marrocos decidiu atacar manifestantes sarauis civis na zona tampão de El Guergarat, o que levou ao fim do cessar fogo estabelecido em 1991».

Desta forma, o MDM, a Federação Democrática Internacional de Mulheres, a União Brasileira de Mulheres, assim como outras organizações de solidariedade do Brasil, Chile, Equador, México e Panamá, e diversas personalidades que participaram no Fórum Social Mundial, defendem que sejam tomadas «medidas urgentes e práticas» para proteger um povo que vive «um cerco militar como nunca visto», sujeito a invasões de casas, espancamentos, tortura, detenções arbitrárias, agressões sexuais, entre outros crimes.

Neste sentido, exige-se a realização de uma visita urgente aos territórios ocupados por parte do Comité Internacional da Cruz Vermelha, da 4.ª Comissão para a Descolonização da ONU e de uma delegação da Alta Comissária para os Direitos Humanos das Nações Unidas.

No apelo alerta-se ainda para a situação dos presos políticos saarauís, em particular do grupo de Gdeim Izik, detido arbitrariamente há dez anos, e reforça-se a necessidade urgente de prestar ajuda alimentar e humanitária aos refugiados.

Os subscritores querem que se ponha «fim a 46 anos de ocupação ilegal do território» que permite que Marrocos prossiga na violação do Direito Internacional, das Resoluções da ONU e da 4.ª Convenção de Genebra.

Tópico