|Síria

Intelectuais franceses criticam atitude do seu país em relação à Síria

Num encontro em Alepo, escritores, intelectuais, jornalistas e bloggers franceses consideraram «errada» a política do seu país para com a Síria e rejeitaram que esta represente o povo.

A conferência-debate realizada em Alepo é uma de várias actividades em que a delegação francesa participa no país árabe 
A conferência-debate realizada em Alepo é uma de várias actividades em que a delegação francesa participa no país árabe Créditos / Prensa Latina

«O governo francês está perdido nas mãos das grandes potências, mas as forças activas do povo apoiaram sempre a Síria e o seu povo», disse o escritor Jean-Michel Vernochet, citado pela agência SANA.

Num encontro sobre a guerra na Síria e desinformação mediática, que decorreu na quarta-feira na Biblioteca Central de Alepo, Vernochet defendeu que o conflito no país árabe não é apenas militar, mas também mediático e social, e denunciou o papel dos órgãos de comunicação ocidentais por terem tentado manipular os factos e passar aos povos europeus uma imagem distorcida da Síria.

Por seu lado, Yves Perrault, um general reformado do Exército francês, criticou o envolvimento do governo do seu país desde 2011 na guerra de agressão contra o país levantino.

«Os governos ocidentais recorreram à hipocrisia e à mentira para enganar os seus povos, e eu vim a Alepo para ter uma ideia da realidade, não daquilo que difundem os meios de comunicação», frisou o oficial na reforma.

No encontro organizado em conjunto com a União de Escritores Árabes, refere a SANA, o escritor, investigador e jornalista Alain-Pierre Tizio também lamentou o papel do seu país na «destruição da Síria», assim como a «divulgação de falsidades» por parte da imprensa.

«Os povos sírio e francês têm um só inimigo, que é o terrorismo, mas o governo do meu país não fez como a Síria, que o enfrentou e derrotou», disse.

Um grupo de intelectuais franceses declarou o seu apoio à Síria, criticando o posicionamento do governo do seu país e do Ocidente / Prensa Latina

Pierre Emmanuel Toman, professor, e Emmanuel Leroy, assessor, centraram-se na cidade de Alepo: o primeiro lamentando a destruição provocada pelo terrorismo na cidade e o segundo destacando o grande desenvolvimento e a recuperação que testemunhou.

«A vitória de Alepo é histórica, contra mais de cem países que investiram dinheiro e enviaram armas para destruir a Síria», opinou Leroy.

Marie Baumeier, apresentada como «activista», defendeu que «o executivo francês agora é governado por Israel». Disse ainda que a visita tem como propósito anunciar, na Síria, a posição de apoio dos intelectuais franceses ao país árabe.

As actividades da delegação francesa incluem seminários e conferências, bem como visitas a várias cidades.

Recorde-se que a França fechou a sua embaixada em Damasco em 2012 e assumiu uma atitude hostil para com o governo de Bashar al-Assad, tendo entregado armamento aos chamados «rebeldes» e participado em diversos bombardeamentos em território sírio sem a autorização de Damasco.

Em Abril de 2018, França participou, em conjunto com o Reino Unido e os EUA, num ataque com mísseis contra vários alvos no país árabe.

Tópico