|Palestina

Forças israelitas matam um palestiniano e prendem dezenas na Cisjordânia

Um trabalhador palestiniano da construção civil, residente em al-Khalil (Hebron), foi morto a tiro esta madrugada pela Polícia israelita. Em Jenin, registam-se intensos confrontos com grupos da resistência.

Forças de ocupação prendem um jovem palestiniano na Cisjordânia (imagem de arquivo) 
Forças de ocupação prendem um jovem palestiniano na Cisjordânia (imagem de arquivo) Créditos / PressTV

O trabalhador da construção civil foi morto em Ashkelon, no Sul dos territórios ocupados em 1948, quando a Polícia israelita andava à procura de trabalhadores palestinianos sem autorização para trabalhar, segundo referem diversas fontes.

De acordo com o comunicado emitido pelas forças israelitas, o trabalhador recusou-se a mostrar a documentação e sacou de uma faca, ferindo um agente numa mão. Foi morto a tiro de imediato.

Este caso ocorre num contexto de tensão e violência crescentes nos territórios ocupados. No espaço de 24 horas, entre domingo e segunda-feira de manhã, quatro palestinianos foram mortos ao serem atingidos por disparos de militares israelitas – um deles faleceu por não resistir aos ferimentos.

Esta escalada segue-se às declarações do primeiro-ministro israelita, Naftali Bennet, que na sexta-feira afirmou que «não há e não haverá limites para esta guerra», acrescentando que o Exército teria «total liberdade de acção», tal como o Shin Bet (serviço de segurança interna israelita) e as restantes forças de segurança.

As declarações de Bennet, após um ataque perpetrado por um palestiniano em Telavive, que provocou a morte a três israelitas e mais de uma dezena de feridos, foram classificadas pelo Ministério palestiniano dos Negócios Estrangeiros como uma «autorização oficial para praticar execuções extra-judiciais», numa «violação flagrante das normas do direito internacional».

Duas dezenas de detidos na Cisjordânia e fortes confrontos em Jenin

O palestiniano que, na quinta-feira, realizou o ataque numa zona nocturna de Telavive, residia em Jenin, no Norte da Cisjordânia. Desde então, a cidade tem sido alvo de raides sucessivos por parte das forças de ocupação.

Segundo refere a Al Mayadeen, têm-se registado intensos confrontos em vários bairros da cidade, com grupos da resistência a fazerem frente às forças especiais israelitas, que usam carros com matrículas palestinianas e colocam franco-atiradores no cimo de diversas casas.

No âmbito da ofensiva de larga escala levada a cabo pelas forças de ocupação em toda a Margem Ocidental, pelo menos 40 palestinianos foram presos entre domingo à noite e esta manhã.

De domingo para segunda-feira, as forças israelitas prenderam 23 palestinianos, segundo refere a WAFA, incluindo cinco em Jerusalém, nas imediações da Mesquita de al-Aqsa e da Bab al-Amoud (Porta de Damasco), onde a Polícia israelita tem reprimido com grande violência as concentrações de palestinianos.

Nesta última madrugada, refere a mesma fonte, as forças de ocupação prenderam 17 palestinianos na Margem Ocidental, mantendo a operação repressiva.

Quatro foram detidos em Jenin e outros tantos em Nablus; em Belém, foram presos dois, tal como em al-Khalil (Hebron) e Tulkarem, havendo ainda registo de detenções em Tubas e Salfit.

Tópico