|Palestina

Palestinianos responsabilizam governo israelita pela escalada na Cisjordânia

O Ministério palestiniano dos Negócios Estrangeiros afirmou que o executivo de Naftali Bennett é «inteira e directamente» responsável pela escalada de violência na Margem Ocidental ocupada.

Forças israelitas de ocupação no campo de refugiados de Jenin 
CréditosAyman Noubani / WAFA

«A escalada israelita é uma tentativa de substituir a solução política negociada para o conflito por outras soluções […], que reflectem a negação de Israel dos direitos do povo palestiniano, o principal dos quais é o seu direito à autodeterminação», declarou este sábado o ministério, num comunicado citado pela WAFA.

A declaração seguiu-se à incursão dos militares israelitas no campo de refugiados de Jenin, à qual os palestinianos responderam. No decorrer dos confrontos, as forças de ocupação mataram um palestiniano e feriram outros 13, segundo referiu o Ministério palestiniano da Saúde.

As autoridades sanitárias informaram que o jovem assassinado, identificado como Ahmad Saadi, foi atingido com tiros no peito e na cabeça, falecendo de imediato. Dois dos feridos foram igualmente atingidos com fogo real e tiveram de ser submetidos a intervenções cirúrgicas.

O raide levado a cabo pelos militares israelitas este sábado contra a cidade de Jenin e o seu campo de refugiados visou sobretudo a residência da família de Raed Hazem, palestiniano que na quinta-feira passada atacou e matou três israelitas e feriu mais de uma dezena em Telavive.

Hazem foi morto a tiro pelas forças israelitas, perto de Jaffa, horas depois de ter realizado o ataque em Telavive. Ainda assim, os militares cercaram a casa dos familiares de Raed Hazem e intimaram-nos a sair e a entregar-se, segundo revelaram testemunhas à WAFA.

A mesma fonte refere que não estava ninguém em casa e que elementos do Exército começaram a tomar medidas para levar a cabo a demolição do edifício, seguindo o procedimento habitual da «punição colectiva» contra os familiares de atacantes.

Guerra «sem limites»

Na sexta-feira, horas depois do ataque em Telavive, o primeiro-ministro israelita, Naftali Bennett, afirmou que «não há e não haverá limites para esta guerra».

Igualmente em tom inflamado, refere a PressTV, acrescentou que o Exército teria «total liberdade de acção», assim como o Shin Bet (serviço de segurança interna israelita) e as restantes forças de segurança.

Tudo isto ocorre num contexto de provocações e ataques constantes por parte dos colonos israelitas contra a população palestiniana, com a conivência do Exército, em vários pontos da Cisjordânia ocupada.

Igualmente no quadro da tensão crescente na Bab al-Amoud ou Porta de Damasco, em Jerusalém, onde há uma semana a Polícia reprime de forma brutal as concentrações dos palestinianos.

«Não existe alternativa a uma solução negociada do conflito, com base no direito internacional e nas suas resoluções», insiste o governo da Autoridade Palestiniana, sublinhando que as imposições de Israel estão destinadas ao fracasso.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui