|Índia

Comunistas indianos afirmam necessidade de criar alternativas às políticas de Modi

«O desemprego, juntamente com a inflação e o aumento dos preços, tornou-se uma maldição para o país», disse um dirigente do PCI (M) em Chennai, numa acção da Campanha Popular contra as políticas de Modi.

Prakash Karat, do Comité Central do PCI (M), fala no bairro de Vyasarpadi, em Chennai, a capital do estado Tamil Nadu, numa iniciativa da Campanha Popular contra as políticas dos oito anos de governo de Modi 
Prakash Karat, do Comité Central do PCI (M), fala no bairro de Vyasarpadi, em Chennai, a capital do estado Tamil Nadu, numa iniciativa da Campanha Popular contra as políticas dos oito anos de governo de Modi CréditosB. Jothi Ramalingam / The Hindu

Prakash Karat, dirigente do Partido Comunista da Índia (Marxista) – PCI (M), desafiou os governos dos estados liderados por partidos que se opõem às políticas económicas do Partido Bharatiya Janata não só a manterem a oposição à política do governo liderado por Narendra Modi, como a implementarem alternativas a favor do povo.

Falando na segunda-feira numa iniciativa, em Chennai (Tamil Nadu), da Campanha Popular contra as políticas nos oito anos de Modi como primeiro-ministro da Índia, Karat destacou as medidas tomadas pelo governo de Kerala para fazer frente às políticas sectárias e corporativas do governo central.

«Nos estados onde há governos liderados pela oposição, temos de garantir que esses governos sejam capazes de implementar políticas a favor do povo e promover políticas alternativas [às do governo central]. Isto está a ser feito pelo governo da FDE [Frente Democrática de Esquerda] em Kerala... [onde] todas as tentativas de privatizar uma empresa do sector público estão a ser travadas», afirmou o dirigente comunista, citado pelo periódico The Hindu.

A este propósito, Karat deu como exemplo «uma empresa do sector público do governo central – a National Paper Mill –[, que] estava para ser vendida, mas o governo estadual reabriu a fábrica como uma empresa do sector público do estado [de Kerala]. Todas as unidades do sector público estão a ser transformadas e tornaram-se lucrativas, em vez de serem encerradas».

Modi, disse, tem estado a atacar as políticas de bem-estar social como «brindes». «Em Tamil Nadu [estado vizinho de Kerala] também há muitas medidas de bem-estar social – pensões, bolsas para estudantes, etc. Tudo isso está a ser atacado. Narendra Modi anunciou recentemente que os partidos da oposição estão a oferecer brindes ao povo. O que são brindes? Saúde pública gratuita, educação gratuita, refeições ao meio-dia, pensão de velhice e todas as outras medidas de bem-estar social estão a ser atacadas pelo governo de Modi», denunciou.

Neste sentido, o PCI (M) decidiu que «não basta opor-se às políticas do governo de Modi», e que os «governos dirigidos por partidos da oposição "seculares e democráticos" devem erguer-se para levar a cabo políticas alternativas e construir uma unidade mais ampla», disse Karat. O objectivo é «travar uma luta política de modo que o regime corporativo-sectário seja derrotado e rejeitado pelo povo», frisou.

No Bairro de Vyasarpadi, da capital de Tamil Nadu, Prakash Karat afirmou ainda que «o desemprego, juntamente com a inflação e o aumento dos preços, tornou-se uma maldição para o país», tendo acusado o governo central de minar os esforços dos governos estaduais.

Tópico