|cantinas

Refeitórios escolares: problemas dos trabalhadores «repetem-se e agravam-se»

Com as novas normas da DGS, os trabalhadores vêem-se confrontados com novas tarefas e processos mais demorados, mas as empresas concessionárias não estão a contratar mais funcionários.

Trabalhadores das cantinas, refeitórios e bares concessionados num protesto em frente às instalações da empresa Sogenove, na Maia
Imagem de arquivo Créditos / AbrilAbril

Num comunicado de imprensa emitido esta sexta-feira, o Sindicato da Hotelaria do Centro (CGTP-IN) afirma que tem companhado os primeiros dias das trabalhadoras dos refeitórios escolares, que, ao serviço de empresas como ICA, Uniself e Gertal, «têm desenvolvido com muitas dificuldades as tarefas de bem servir a alimentação das crianças, jovens, professores e auxiliares nas escolas, num contexto novo de exigências redobradas ao nível da higiene, segurança e saúde».

As novas normas da Direcção-Geral da Saúde (DGS) implicam situações como «horários mais prolongados do período de empratamento e serviço de refeições, obrigatoriedade de higienizar o espaço entre a entrada e saída de alunos e utentes, maior preocupação na higiene de utensílios, empacotamento de talheres, desinfecção de frutas, embalamento de refeições para casa», explica a estrutura sindical.

No entanto, estas tarefas «estão a ser completamente ignoradas pelas empresas», que, «com o beneplácito da DGEstE [Direcção-Geral dos Estabelecimentos Escolares] – Ministério da Educação», não só não estão a aumentar o número de trabalhadores, como «pressionam» no sentido da sua redução, evidenciando um «desrespeito total pelas regras de saúde e segurança», denuncia o sindicato.

As empresas concessionárias «apenas parecem pensar como podem retirar o máximo lucro desta concessão», afirma o Sindicato da Hotelaria do Centro, que as acusa de tratar os trabalhadores «como objectos», não respeitando os seus direitos e exigindo «a realização de serviços a ritmos de trabalho impossíveis». Neste contexto, alerta, «muitos trabalhadores já manifestaram ao sindicato a vontade de deixar o serviço e abandonar estas responsabilidades».

«Elevar o patamar da luta»

A tudo isto acresce o facto de que estes trabalhadores se enquadram num sector – cantinas e refeitórios – que «não vê os salários melhorados e negociados, estando quase todas as categorias profissionais» a rondar o salário mínimo.

Desta forma, se os problemas elencados não forem resolvidos, a estrutura sindical entende que, «em representação das trabalhadoras, não [lhe] restará outra solução que não seja elevar o patamar de luta», acrescentando que «está a ser pensado e articulado a nível nacional», entre as várias estruturas sindicais, «uma possível Greve Nacional dos trabalhadores dos refeitórios escolares, a realizar dia 26 de Outubro».

Tópico