|higiene e segurança no trabalho

Casos positivos aumentam no pólo industrial da Azambuja

Testes generalizado, maior desfasamento dos turnos e mais oferta de transportes públicos são algumas das exigências dos trabalhadores para verem garantidas as condições de segurança no trabalho.

CréditosLeonardo Negrão / Global Imagens

Numa conferência de imprensa da CGTP-IN, realizada quarta-feira à tarde, entre as instalações da Sonae e o apeadeiro da CP do Espadanal da Azambuja, Isabel Camarinha sublinhou a necessidade de serem garantidas as condições de protecção e segurança nos locais de trabalho.

Segundo Isabel Camarinha, este local do concelho de Azambuja foi escolhido pela União de Sindicatos de Lisboa, simbolicamente, por ser um pólo logístico de empresas de distribuição e de indústria alimentar, que reúne cerca de 8500 trabalhadores de 230 empresas.

Com mais 70 casos de infecção de Covid-19 confirmados na Sonae MC, a secretária-geral da CGTP-IN considerou que deve ser aumentada a oferta de transportes públicos para que, a caminho do trabalho, se controle o risco de contágio.

A sindicalista lembrou também que a maioria dos trabalhadores que laboram nos armazéns da Sonae e da Jerónimo Martins, naquele local, nunca parou a sua actividade porque presta um serviço essencial à população.

O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP/CGTP-IN) considerou as medidas da empresa insuficientes para travar o contágio e defendeu que os testes devem ser alargados aos cerca de 3000 trabalhadores da Sonae da Azambuja.

Tópico