|SNS

Utentes saem à rua para lutar pelo SNS

O MUSP – Movimento de Utentes de Serviços Públicos faz desta uma semana de luta em defesa do Serviço Nacional de Saúde (SNS), com concentrações, debates e distribuição de comunicados por todo o País.  

A partir de hoje e até 12 de Dezembro, comissões e associações de utentes da saúde e de serviços públicos, convocadas pelo Movimento de Utentes de Serviços Públicos (MUSP), vão estar na rua pelo reforço do SNS enquanto único garante do acesso aos cuidados de saúde para a generalidade das populações. 

«Para os utentes, o mais importante é que o Governo, e o que lhe suceder após 30 de Janeiro, promova o reforço do SNS em meios humanos e materiais, e altere as regras de contratação dos profissionais de saúde, potenciando a sua contratação, valorização e permanência no SNS», lê-se num comunicado do MUSP. 

«Como já se sabia e a pandemia veio a mostrar mais uma vez, é o SNS que pode dar resposta às necessidades das populações», reforça a estrutura que até domingo promove concentrações à porta de centros de saúde e de hospitais, reuniões públicas, distribuição de comunicados e sessões de esclarecimento, entre outras iniciativas.

Grândola exige um médico

A Comissão de Utentes dos Serviços Públicos do Concelho de Grândola, uma das que se associa à Semana de Luta e Defesa do Serviço Nacional de Saúde, vai realizar um plenário com a população do Canal Caveira, esta quarta-feira, pelas 15h, no Centro Comunitário daquela localidade. 

A iniciativa conta com o presidente do Sindicato dos Médicos da Zona Sul (FNAM), João Proença, e tem como objectivo exigir a deslocação de um médico à Extensão de Saúde de Canal Caveira com a periodicidade mínima de uma vez por semana.

A comissão lembra, através de comunicado, que, apesar do «acordo e compromisso do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde», tal não se tem vindo a verificar. «Num período de pandemia, é inadmissível que os utentes de Canal Caveira não tenham médico com regularidade», critica.

Tópico