|Energia

Nos lucros dos oligopólios não se mexe

Face à subida dos preços, onde agora entra o argumento das sanções à Rússia, Bruxelas deu luz verde a apoios estatais dirigidos a empresas e indústrias com uso intensivo de energia. 

CréditosMPD01605 / CC BY-SA 2.0

A medida aprovada hoje pela Comissão Europeia deve vigorar até ao final do ano e prevê que os governos possam apoiar os grandes consumidores de energia até dois milhões de euros, limite que pode ser ultrapassado e chegar aos 50 milhões de euros no caso das indústrias electro-intensivas, como as produtoras de alumínio, pasta de papel, hidrogénio e produtos químicos, havendo ainda um tecto de 25 milhões para outros sectores. 

Depois das ajudas estatais no âmbito da Covid-19, e que também beneficiaram sobretudo as grandes empresas, o objectivo passa agora por compensar as empresas pela subida dos preços do gás e da electricidade, até 30% dos custos elegíveis. 

Enquanto isso, as empresas de energia, que desde a liberalização do sector têm aumentado os preços a seu bel-prazer (e voltam a fazê-lo no próximo mês), têm agora maior margem de manobra para continuar a fazê-lo, mantendo os seus lucros intactos. 

Assim, ao mesmo tempo que o dinheiro público contribui para engordar grandes grupos económicos, não é dada prioridade a medidas que travem o galopante aumento do custo de vida que tanto penaliza as famílias, que irão continuar a despender uma fatia considerável do seu orçamento para suportar os preços cobrados pelas empresas de energia.

Tópico