|luta das mulheres

Morreu a resistente antifascista Isaura Borges Coelho

Enfermeira de profissão, Isaura Borges Coelho lutou pela democracia, liberdade e igualdade de direitos no trabalho e na vida. Faria 93 anos na próxima quinta-feira.

Isaura Borges Coelho faleceu no dia 11 de Junho
Isaura Borges Coelho faleceu no dia 11 de JunhoCréditos

Isaura Assunção da Silva nasceu em Portimão, a 20 de Junho de 1926, e faleceu esta terça-feira, na Parede, concelho de Cascais. Os últimos nomes viriam do historiador e companheiro de vida, António Borges Coelho.

A resistente antifascista foi presa e torturada pela PIDE (Polícia Internacional e de Defesa do Estado), devido à luta pela igualdade e conquista dos direitos das mulheres, em particular das enfermeiras.

«Num tempo em que as enfermeiras não podiam casar e eram despedidas por terem casado sem autorização, esta mulher que agora nos deixou encabeçou um abaixo-assinado a Salazar, ao Cardeal Cerejeira e ao enfermeiro-mor dos hospitais, para o qual recolheu centenas de assinaturas para exigir a liberdade de casamento para as enfermeiras», lê-se num texto de homenagem do Movimento Democrático de Mulheres (MDM). 

Na luta contra o fascismo, Isaura aderiu ao Movimento de Unidade Democrática (MUD), tendo sido presa em 1953 juntamente com outros jovens. O MDM recorda que ficou em prisão preventiva por dinamizar o «movimento das enfermeiras», sujeita ao regime de isolamento, «brutalmente espancada e arrastada pelos cabelos, na presença do seu advogado, Dr. Lopes Correia, também violentamente agredido pela PIDE».

Passou quatro anos na prisão e os maus tratos infligidos pela PIDE quase lhe tiraram a vida. Depois de ter saído da prisão, foi impedida de trabalhar nos hospitais públicos, mas com a ajuda de alguns amigos conseguiu arranjar trabalho numa clínica privada.  

O casamento com António Borges Coelho, a 4 Janeiro de 1959, aconteceu no Forte de Peniche, onde o futuro historiador esteve seis anos a cumprir pena de prisão, seis meses dos quais em total isolamento. 

Isaura Borges Coelho foi militante do PCP e delegada sindical das enfermeiras na Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa, até se reformar. O corpo estará em câmara ardente no Centro Funerário de Cascais, a partir das 18h desta quinta-feira. O funeral realiza-se na sexta-feira, às 13h30, no mesmo local.

Tópico