|Ensino Superior

Ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior chamada à Assembleia da República

A ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior foi chamada à Assembleia da República para falar sobre os problemas estruturais da Acção Social Escolar. 

CréditosTiago Petinga / Agência Lusa

O PCP apresentou um requerimento na Assembleia da República para uma audição urgente à ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, em causa está o actual estado da Acção Social Escolar e os problemas com que os estudantes estão confrontados.

No requerimento submetido a bancada comunista reporta um conjunto de problemas que no seu entender têm de ser resolvidos com urgência dada a importância da Acção Social Escolar, em particular num contexto de aumento de custo de vida e perda de rendimentos das famílias.

Entre a necessidade de uma Acção Social Escolar à altura da situação e que cumpra com o seu propósito, é revelado que na Universidade de Coimbra atualmente só duas cantinas servem o prato social, cujo preço também foi aumentado e somam-se concessões dos bares das faculdades, que na Universidade de Lisboa foram fechadas três residências geridas pelos Serviços de Acção Social da Universidade de Lisboa (SASUL) desalojando cerca de 100 estudantes em plena época de exames, que na Universidade do Algarve há apenas quatro psicólogos para cerca de 9000 estudantes e na Universidade de Aveiro uma das duas cantinas encontra-se fechada desde Dezembro, devido à falta de trabalhadores e a pressão sobre a outra cantina recai sobre os estudantes que lá trabalham por €3,75/hora.

Este foram alguns dos exemplos dados pelos comunista e que sustentam a chamada da ministra à Assembleia da República, procurando assim perceber quais são os planos do Governo para responder a estes problemas já no próximo ano lectivo.

Tópico