|solidariedade

«É urgente pôr fim ao massacre» em Gaza

A Semana de Solidariedade com o Povo Palestiniano, que já teve expressão este domingo no Porto, tem agendadas novas mobilizações em Évora, Funchal e Lisboa, exigindo o «fim imediato da tragédia» em Gaza.

Mobilização solidária com o povo palestiniano no Porto, a 26 de Novembro de 2023 
Mobilização solidária com o povo palestiniano no Porto, a 26 de Novembro de 2023 Créditos / CPPC

Pela paz e pelos direitos do povo palestiniano, sublinhando a urgência de parar a «guerra» e o «massacre», e afirmando a necessidade de «paz no Médio Oriente» e de uma «Palestina independente», as organizações promotoras apelam à participação de todos nas acções que dão corpo a esta semana de solidariedade: hoje em Évora (19h, Largo de Camões) e, amanhã, no Funchal (19h, Largo dos Varadouros) e em Lisboa (18h, Largo do Martim Moniz).

No domingo, a abrir a semana solidária, centenas de pessoas participaram, no Porto, numa concentração e manifestação, reafirmando a exigência da «paz no Médio Oriente» e a urgência de «um cessar-fogo permanente na Faixa de Gaza» e «não apenas pausas humanitárias», revela o CPPC na sua página de Facebook.

O ano da «catástrofe provocada por mais de 50 dias de bombardeamentos israelitas»

Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente (MPPM), Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), CGTP-IN e Projecto Ruído dinamizam a semana solidária, que tem no centro o Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestiniano (29 de Novembro) e que este ano «decorre sob o impacto da catástrofe provocada por mais de 50 dias de bombardeamentos israelitas sobre a Faixa de Gaza».

Mobilização de apoio à Palestina, no Porto, a abrir a Semana de Solidariedade com o Povo Palestiniano / CPPC

«Milhares de mortos, mais de 40% dos quais crianças. Bairros inteiros arrasados e centenas de milhar de desalojados. Hospitais, escolas, infra-estruturas destruídas, num cenário apocalíptico», denuncia o MPPM em comunicado divulgado esta segunda-feira.

Destacando que a «trégua humanitária acordada trouxe um alívio momentâneo, num primeiro resultado importante da pressão popular e da resistência palestiniana», o organismo solidário lembra a necessidade de manter a mobilização, até porque, «mesmo que os bombardeamentos parem, Gaza precisa de quase tudo».

«Um cessar-fogo permanente e definitivo»

O cessar-fogo é uma das exigências elencadas no documento divulgado pelo MPPM, que apela também ao fim das «violências dos militares e colonos israelitas contra os palestinianos da Cisjordânia e de Israel».

Nas acções solidárias, os manifestantes exigem ainda que: seja impedida a expulsão dos palestinianos da sua terra; chegue a ajuda humanitária necessária à Faixa de Gaza; sejam libertados «todos os presos palestinianos e todos os reféns israelitas».

Reclamam também que seja «levantado o infame bloqueio que, desde 2006, transformou a Faixa de Gaza numa prisão a céu aberto», seja «iniciada a reconstrução» do enclave e seja «finalmente concretizado o direito, tantas vezes prometido pela comunidade internacional mas nunca cumprido, à existência de um Estado palestiniano livre e independente, com controlo soberano das suas fronteiras e dos seus recursos».

«A Palestina vencerá», conclui o texto.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui