|Bélgica

PTB aumenta pressão sobre governo belga pela redução do IVA na energia

O preço da energia tornou-se «incomportável» para as famílias, denuncia o partido de esquerda, que convocou uma marcha para Bruxelas e está a realizar outras iniciativas contra a «explosão» das facturas.

Acção do PTB pela redução do preço da energia 
Acção do PTB pela redução do preço da energia Créditos / laprovince.sudinfo.be

Esta quinta-feira, o Partido do Trabalho da Bélgica (PTB-PVDA) projectou a reivindicação de 6% de IVA na energia nas fachadas dos edifícios do primeiro-ministro e do ministro das Finanças, em Bruxelas, querendo assim, com esta «acção a laser», demonstrar o empenho em obter do governo a diminuição do preço da energia.

«Cada vez mais partidos apoiam a proposta», afirmou Raoul Hedebouw, presidente do PTB. «Isto é bom. É o momento de termos uma maioria parlamentar que defenda a redução do IVA», disse, citado pelo portal do PTB.

Em seu entender, não se pode esperar mais, porque «é agora que as pessoas estão a passar frio e a enfrentar contas impagáveis». De acordo com o PTB, a redução do IVA de 21% para 6% na energia permitirá reduzir o valor das facturas em 500 euros, dando «um pouco de oxigénio às famílias».

A redução do IVA para 6%, pela qual o PTB se bate desde 2007, está a ser debatida há uma semana. Hedebouw afirma que o assunto entrou na agenda política depois de 300 mil pessoas terem assinado a petição posta a circular pelo partido e tendo em conta a «explosão dos preços das facturas de energia».

Na campanha pela redução do IVA para 6%, o PTB afirma que «a energia é um bem essencial. Aquecermo-nos no Inverno não é comer caviar ou beber champanhe. No entanto, ao gás e à electricidade é aplicado o mesmo imposto que aos artigos de luxo, com um IVA de 21%».

O partido belga sublinha que a maioria das famílias da classe trabalhadora do país gasta uma grande parte dos seus rendimentos em facturas de energia e propõe que as perdas devidas à redução do IVA sobre o gás e a electricidade sejam compensadas por um imposto sobre os lucros das multinacionais do sector da energia.

Refere-se, em concreto, à Engie-Electrabel, subsidiária belga da multinacional francesa que, segundo os dados do partido, lucra 2,6 mil milhões de euros graças aos preços elevados da energia na Bélgica.

«Enquanto centenas de famílias lutam para chegar ao fim do mês, o gigante do sector energético enriquece», denuncia o partido de esquerda, afirmando que este agente «pode perfeitamente pagar a factura».

Também para pressionar o governo, denunciar o aumento explosivo do preço da energia e reivindicar a descida do IVA para 6%, o PTB lançou uma campanha de envio de e-mails aos ministros e presidentes dos partidos, e agendou para 27 de Fevereiro uma manifestação em Bruxelas, sob o lema «Basta! Protejamos o povo, não os poderosos».

Tópico