|Marrocos

Milhares de marroquinos protestam contra a «normalização com Israel»

Sob o lema «Parem o genocídio em Gaza, parem a normalização entre Marrocos e a entidade sionista», milhares de pessoas manifestaram-se, este domingo, em Rabat a favor da ruptura com Israel.

Milhares de pessoas manifestam-se em Rabat, a 11 de Fevereiro de 2024, contra a «normalização com Israel» e em apoio à Palestina 
Milhares de pessoas manifestam-se em Rabat, a 11 de Fevereiro de 2024, contra a «normalização com Israel» e em apoio à Palestina Créditos / PressTV

Exibindo bandeiras da Palestina e faixas em que se lia «Normalização é traição» ou «Parem o massacre», mais de dez mil pessoas mobilizaram-se no centro de Rabat, gritando palavras de ordem como «Fora com os sionistas», «Gaza é símbolo de orgulho» e «O povo quer derrubar a normalização» – em alusão às relações diplomáticas que o país norte-africano mantém com Israel.

Marrocos, potência ocupante do Saara Ocidental, e Israel, Estado que ocupa a Palestina, restabeleceram laços diplomáticos em Dezembro de 2020, no contexto de um acordo que envolveu o então presidente norte-americano, Donald Trump – que reconheceu a «soberania» marroquina sobre o território saarauí.

A manifestação, tal como outras do género realizadas, foi convocada pela Frente Marroquina de Apoio à Palestina e contra a Normalização, que integra dezenas de associações, partidos e organizações sindicais, indica a agência Efe.

No contexto da mais recente agressão israelita contra Gaza (e a Cisjordânia ocupada), desde 7 de Outubro, que provocou mais de 28 mil mortos e cerca de 68 mil feridos, têm-se registado com frequência protestos, em várias cidades marroquinas, a louvar a resistência palestiniana, a exigir o fim do massacre e a solicitar ajuda humanitária para o enclave costeiro de Gaza.

Tal como em ocasiões anteriores, os manifestantes denunciaram, ontem, o silêncio e a passividade da chamada comunidade internacional em relação aos «crimes» que a ocupação israelita está a levar a cabo na Palestina.

Alguns dos manifestantes levaram pela marcha adiante uma enorme bandeira palestiniana, outros levavam cartazes com imagens da destruição provocada pelos bombardeamentos na Faixa de Gaza, por entre a exigência reiterada do corte de relações diplomáticas com Israel.

«Vemos bombardeamentos 24 horas por dias, crianças mortas, quase 30 mil mortos e nada acaba com isto. O genocídio continua», disse um dos manifestantes à imprensa, acrescentando: «Não podemos continuar a comprar e a vender aos genocidas.»

O regime marroquino denunciou, oficialmente, as «flagrantes violações do direito internacional» cometidas por Israel na Faixa de Gaza, mas sem ter dado qualquer indicação de que a «normalização» com o regime de apartheid sionista seria posta em causa.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui