|Índia

Instalações do PCI(M) voltam a ser atacadas no estado de Tripura

A sede do Partido Comunista da Índia (Marxista) em Krishnanagar, que já fora vandalizada em 2018, foi agora demolida. Dirigentes locais questionaram a passividade da Polícia e exigiram responsabilidades.

Protesto de militantes do PCI(M) junto à esquadra da Polícia em Agartala, capital do estado de Tripura 
Protesto de militantes do PCI(M) junto à esquadra da Polícia em Agartala, capital do estado de Tripura Créditos / time8.in

O comité local do PCI(M) acusou «malfeitores» ao abrigo do Bharatiya Janata Party (BJP; partido nacionalista hindu, de direita), que governa na Índia e no estado de Tripura, de serem responsáveis pelos acontecimentos de quarta-feira à noite.

O edifício da sede em Krishnanagar, nas imediações da capital de Tripura, Agartala, já tinha sido atacado em 2018, com os «malfeitores» a partirem vidros e portas, e a saquearem o interior.

Estado em que ficou a sede do PCI(M) depois do ataque perpetrado por «malfeitores» em Krishnanagar / time8.in

Desta vez, os prevaricadores desligaram a luz em toda a área onde o edifício se localiza e, segundo um comunicado do comité local do PCI(M), «organizaram a demolição».

Na quinta-feira de manhã, na sequência da «ocorrência», funcionários e outros militantes do partido neste estado do Nordeste da Índia, praticamente rodeado pelo Bangladesh, mobilizaram-se junto à esquadra da Polícia em Agartala, questionando, mais uma vez, a passividade da Polícia e exigindo que os responsáveis sejam levados perante a Justiça.

Os comunistas indianos acusam a Polícia de não ter investigado o que se passou em 2018, apesar de ter elementos à disposição. Também o secretariado nacional do PCI(M) condenou a destruição total do edifício em Krishnanagar por elementos alegadamente ligados ao BJP, assim como «o silêncio inaceitável da Polícia», revela o portal time8.in.

Ataques sucessivos a edifícios e militantes comunistas

Em meados de Agosto, o comité de Tripura do PCI(M) acusou «malfeitores» ligados ao BJP de serem responsáveis pelo ataque à sua sede em Khowai, logo após uma delegação da oposição, liderada por Manik Sarkar, ter visitado o local. Num comunicado, o PCI(M) denunciou que a «Polícia era um espectador mudo».

Outros ataques foram denunciados, antes e depois. No final de Junho, 12 militantes do PCI(M) que participavam numa mobilização em Teliamura para reclamar melhores salários, mais apoios e mais ajuda no combate à pandemia de Covid-19 foram atacadas com violência, alegadamente por elementos ligados ao partido de Narendra Modi.

Seis militantes comunistas ficaram gravemente feridos e tiveram de ser hospitalizados em Agartala. Mais uma vez, o PCI(M) dirigiu duras críticas à Polícia, que ficou como «espectadora» enquanto os militantes comunistas eram agredidos com paus à sua frente, indica o portal eastmojo.com, acrescentando que, nessa altura, muitos activistas foram agredidos também em suas casas.

Os comunistas estiveram muitos anos à frente do governo de Tripura. Em Março de 2018, depois do anúncio da vitória do BJP nas eleições para a Assembleia Legislativa estadual, o PCI(M) denunciou uma onda de violência contra militantes e dirigentes do partido, tendo afirmado que foram atacadas mais de 1500 casas, 196 das quais pertenciam a «militantes e dirigentes». Na nota então emitida, os comunistas revelaram que 134 centros de trabalho foram danificados, 64 dos quais ficaram totalmente destruídos.

Tópico