|Brasil

«A fome é uma opção deste governo», destaca dirigente do MST

Na audiência pública «Carestia, fome e segurança alimentar e nutricional no Brasil», defendeu-se que «uma das tarefas para acabar com a fome é derrotar o governo Bolsonaro».

Créditos / PCdoB

A iniciativa, realizada esta terça-feira na Comissão de Legislação Participativa da Câmara dos Deputados, em Brasília, deu sequência ao requerimento do deputado Rogério Correia (Partido dos Trabalhadores; PT), e contou com a participação de movimentos populares, investigadores e deputados.

De acordo com a segunda edição do Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, publicado em Junho, apenas quatro em cada dez famílias brasileiras têm acesso pleno à alimentação e 33 milhões de brasileiros passam fome.

Por comparação com os dados de 2020, houve um aumento de 7,2% no número de pessoas em algum estado de insegurança alimentar.

No total, 125 milhões de brasileiros vivem algum nível de insegurança alimentar, revelou a investigação levada a cabo pela Rede Penssan, integrada por especialistas em segurança alimentar, e executada pelo Instituto Vox Populi, com apoio de diversas entidades.

«O inquérito vem para dar nome e rosto a estes números», destacou Renato Sérgio Jamil Maluf, da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar (Rede Penssan). «O que o inquérito nos aponta foi que, em um ano, o equivalente à população de São Paulo entrou para o mapa da fome», apontou Maluf, citado pelo portal do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST).

«Como a fome está fazendo 33 milhões de pessoas sofrerem, se temos o famoso agro, que diz alimentar mil milhões de pessoas no mundo?», questionou Suzana Prizendt, do movimento Banquetaço e da campanha «Gente é pra brilhar, não para morrer de fome».

Segundo Prizendt, no ano passado, o agronegócio produziu o equivalente a uma tonelada de grãos por habitantes no Brasil. «Acontece que estes grãos, que utilizam nossa água, nosso solo, nossos recursos financeiros, além de não serem alimentos, mas mercadorias que enchem os bolsos de uma minoria, são destinados para o mercado internacional», explicou.

Alexandre Conceição, da direcção nacional do MST, intervindo durante a audiência / MST

Por seu lado, Alexandre Conceição, da direcção nacional do MST, apontou que «o império nos impôs a fome, a ditadura nos impôs a fome e, agora, estamos repetindo a tragédia de nossa história, por conta deste governo», ao destacar o aspecto estrutural da fome no Brasil.

«Sem combater o latifúndio não há o combate efetivo da fome. E o governo que aí está é de natureza latifundiária, por isso o Brasil voltou para o mapa da fome», sublinhou Conceição.

Rogério Correia, o deputado que solicitou a audiência, apontou também a acção e omissão do governo frente ao crescimento da fome. «O momento é grave e o poder público tem o dever de ser agente ativo para construção de políticas de combate à fome de forma mais robusta», afirmou. «Uma das tarefas para acabar com a fome é derrotar o governo Bolsonaro, mas precisamos discutir também o que vamos construir para o futuro», acrescentou.

Entre as diversas políticas adoptadas pelo governo de Jair Bolsonaro que contribuíram para o aumento da fome, o MST destaca o desmantelamento dos stocks de alimentos, que são fundamentais em momentos de inflação e fome.

Em 2013, o país sul-americano tinha 944 toneladas de arroz armazenadas e, em 2015, mais de um milhão de toneladas, informa o MST, acrescentando que, em 2020, esses stocks desceram para 22 toneladas, o que não garante nem uma semana de consumo no país. «Atualmente, não existem estoques governamentais de alimentos para contingência, para intervir nos preços nos mercados ou para apoio aos programas sociais», revela o portal dos sem-terra.

«A fome é um projeto político para estes que estão governando o país agora», afirmou a deputada federal Maria do Rosário (PT). «Se eles têm um projeto de fome, nós temos um projeto de vida», frisou.

Tópico