|Brasil

Estafetas brasileiros mobilizaram-se por melhores condições de trabalho

O aumento do valor pago pelas corridas e da taxa mínima por quilómetro, o fim dos bloqueios «injustos» e apoios para acidentes e doença são exigências de um sector precarizado e muito explorado.

Os estafetas brasileiros que trabalham com plataformas electrónicas realizaram a primeira paralisação nacional no dia 1 de Julho de 2020
Os estafetas brasileiros que trabalham com plataformas electrónicas realizaram a primeira paralisação nacional no dia 1 de Julho de 2020 CréditosPedro Stropasolas / Brasil de Fato

Os distribuidores, que trabalham com aplicações electrónicas e sem vínculo contratual para empresas como Rappi, ifood, Loggi e Uber Eats, realizaram uma paralisação nacional por melhores condições de trabalho esta quarta-feira. De acordo com os organizadores, em São Paulo a manifestação chegou a contar com 5000 trabalhadores no auge da mobilização.

«A gente roda São Paulo inteiro por 14, 15 reais [cerca de 2,5 euros] e não tem benefício nenhum. Não tem condições de continuar trabalhando desse jeito. Das oito horas da manhã até às onze da noite para ganhar 100 reais [16,6 euros], é cruel. Não tá dando mais para aguentar isso aí», disse ao Brasil de Fato o estafeta Alexandre Lima Brito.

«Essas aplicações, ou elas melhoram ou a gente vai ficar fazendo greve directo, até elas melhorarem. Ou elas caem fora do Brasil e volta ao que era antigamente, a gente tinha os contratos dentro das empresas, trabalhava registado, hoje em dia não tem mais isso», denuncia.

Outro distribuidor, Cláudio Brandão, sublinhou a importância da paralisação nacional, para «acabar com a escravidão das aplicações» e porque eles e as suas famílias dependem desse trabalho: «A gente leva o alimento para as casas», disse. «A gente sai cedo de casa, volta à meia-noite e dorme pouco. Está difícil», desabafa.

Antes da manifestação, que teve início por volta das 14h, na Avenida Paulista, os estafetas começaram a juntar-se em 13 pontos da capital do estado. Um dos pontos de concentração foi centro comercial Center 3, onde os trabalhadores impediram a retirada de pedidos feitos e falaram sobre a importância da paralisação com aqueles que não aderiram.

Paulo Lima, conhecido como Galo e criador do Movimento dos Entregadores Antifascistas, no contexto da pandemia do novo coronavírus, valorizou a importância da mobilização e afirmou: «A classe trabalhadora tem que se unir para o arrebento. Os caras estão com processo de rasgar a carteira de trabalho de todo mundo e não podemos deixar. Vamos para cima», defendeu.

Em defesa dos direitos, pelo Brasil fora

Os distribuidores da região metropolitana do Rio de Janeiro reuniram-se em Niterói, frente ao terminal das barcas, no centro da cidade, no âmbito das actividades da paralisação nacional. Após a concentração, realizaram uma caravana até à zona Sul da cidade, exigindo melhores condições de trabalho.

Em Brasília (Distrito Federal), os estafetas concentraram-se por volta das 10h nas imediações do Palácio do Buriti, sede do governo distrital. De acordo com a Polícia Militar, entre 150 e 200 manifestantes participaram no cortejo dos distribuidores de Brasília. Os trabalhadores desceram a Esplanada dos Ministérios e concentraram-se novamente em frente ao Congresso Nacional, onde as reivindicações do sector têm eco entre alguns deputados.

«Das oito horas da manhã até às onze da noite para ganhar 100 reais [16,6 euros], é cruel. Não tá dando mais para aguentar isso aí»

Uma das exigências da greve é o aumento da taxa mínima recebida por quilómetro percorrido. «As empresas não estão dando nem um real (16 cêntimos) por quilómetro. Umas pagam 0,75 reais (12 cêntimos), outras 0,85 (14 cêntimos). A gasolina e a manutenção da moto, das bikes aumentam e não tem nenhum reajuste», alerta Alessandro da Conceição, presidente da Associação de Motofretistas Autônomos e Entregadores do DF (AMAEDF), sublinhando que, com o aumento do número de estafetas nas ruas, é cada vez mais difícil atingir uma meta.

Em Fortaleza (Ceará), os estafetas aderiram à paralisação nacional, revela o Brasil de Fato. Centenas de trabalhadores participaram em várias iniciativas, que culminaram numa concentração na Praça da Imprensa.

Em Curitiba, capital do Paraná, houve manifestação de estafetas pelas ruas centrais da cidade. Os trabalhadores pediram apoio à população para que não houvesse entregas via aplicações electrónicas nesta quarta-feira, de modo a chamar a atenção das empresas para as reivindicações.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui