|Síria

Damasco denuncia condenação de sírio que revelou ligação de Israel a terroristas

A Síria enviou missivas à ONU pedindo-lhe que ajude a libertar o cidadão sírio dos Montes Golã ocupados condenado por um tribunal israelita por expor os vínculos de Telavive com grupos terroristas.

Sedqi Suleiman al-Maqet, cidadão sírio natural dos Montes Golã ocupados, foi condenado a 11 anos de prisão por Israel por expor o apoio de Telavive a grupos terroristas na Síria, sobretudo à Jabhat al-Nusra
Sedqi Suleiman al-Maqet, cidadão sírio natural dos Montes Golã ocupados, foi condenado a 11 anos de prisão por Israel por expor o apoio de Telavive a grupos terroristas na Síria, sobretudo à Jabhat al-NusraCréditos / Resumen Latinoamericano

Sedqi Suleiman al-Maqet, conhecido como o «Decano dos prisioneiros sírios e árabes» por ter passado mais tempo nas cadeias isreelitas que qualquer outro preso, foi condenado por um tribunal israelita a uma pena de 11 anos de prisão, segundo revelou esta terça-feira a agência SANA.

O Ministério sírio dos Negócios Estrangeiros condenou a decisão, em duas cartas que ontem dirigiu ao secretário-geral das Nações Unidas e ao presidente do Conselho de Segurança deste organismo, a quem solicitou, bem como ao Alto Comissário para os Direitos Humanos e a outras organizações internacionais, que pressionem Israel no sentido de libertar imediatamente al-Maqet.

O governo de Damasco considera a sentença «injusta» e, ainda, «nula e ilegal», na medida em que foi decretada por «autoridades da ocupação contra um civil sírio que vive sob o regime da ocupação estrangeira» [nos Montes Golã].

Sedqi al-Maqet, natural de uma localidade nos Montes Golã ocupados por Israel, foi libertado em Agosto de 2012, depois de passar 27 anos numa cadeia israelita. Em Fevereiro de 2015, o Shin Bet [serviço de segurança interna de Israel] invadiu a sua casa e prendeu-o, acusando-o de ter fotografado e filmado um encontro entre forças israelitas com grupos terroristas.

Nas cartas que enviou às Nações Unidas, Damasco afirma que Israel maltratou al-Maqet apenas porque expôs o envolvimento das forças de ocupação com os grupos terroristas, sobretudo a Jabhat al-Nusra – fornecendo-lhes armas, ajuda sanitária e apoio financeiro.

O movimento de resistência libanês Hezbollah louvou, em diversas ocasiões, o trabalho de resistência de al-Maqet contra Israel, revela a HispanTV.

Quando foi libertado em 2012, o Hezbollah chamou «herói» a al-Maqet, por «ter lembrado aos países árabes quem era o verdadeiro inimigo que os ameaça».

Tópico