|direito de parentalidade

Trabalhadores dos serviços hospitalares não são considerados essenciais

Os trabalhadores dos serviços de alimentação e lavandaria dos hospitais queixam-se de não lhes serem reconhecidos os direitos de parentalidade de trabalhadores essenciais no contexto do encerramento das escolas.

Créditos / Saúde Mais

O Sindicato de Hotelaria do Centro (CGTP-IN) tem vindo a receber vários pedidos de ajuda por parte de trabalhadores dos serviços hospitalares de alimentação, lavandarias e tratamento e recolha de resíduos, de unidades de hospitalização privada e instituições particulares de solidariedade social.

Em causa, o facto de estarem a ser pressionados a deixar os filhos em locais alternativos aos estabelecimentos escolares e creches em funcionamento para trabalhadores essenciais, para os quais não estão abrangidos.

O sindicato considera que esta situação é «discriminatória» uma vez que, para o direito ao exercício da parentalidade, apenas se aplica a condição de trabalhadores essenciais nos deveres, recusando o reconhecimento dos direitos.

A pressão diária, com a ameaça de que irão ter faltas injustificadas caso não vão trabalhar, sendo alguns casos trabalhadores de famílias monoparentais, está a deixar muitos em situação grave a nível psicológico, refere o sindicato.

Tópico