|baixos salários

Trabalhadores da hotelaria e turismo saíram à rua para denunciar os baixos salários

Numa manifestação junto à FIL, onde decorre a Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), esta sexta-feira, trabalhadores da hotelaria e turismo contestaram os baixos salários e o congelamento da contratação colectiva.

CréditosMário Cruz / Agência Lusa

«Aproveitámos este evento, que é a BTL, [para nos manifestarmos] pois estão também aqui representadas as associações patronais dos hotéis e da restauração. Quisemos vir aqui fazer uma acção de denúncia, porque a nossa Federação, que negoceia os contratos colectivos de trabalho para os trabalhadores deste sector tão importante para a economia do País, está confrontada com o seu congelamento», disse à Lusa a coordenadora da Federação dos Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (Fesaht/CGTP-IN), Maria de Deus Rodrigues.

«Há vários anos que não há negociação colectiva e neste momento estamos confrontados com um problema muito sério que é a questão dos salários, pois uma percentagem enorme dos trabalhadores ganha o salário mínimo», acrescentou.

Além disso, os trabalhadores «não vêem as suas tabelas salariais actualizadas há seis ou sete anos», daí que estejamos a ter «um enorme problema» com as carreiras profissionais.

Segundo a Fesaht, actualmente os trabalhadores mais qualificados «pouco mais recebem» que o salário mínimo nacional e a muitos destes trabalhadores, que durante a pandemia foram despedidos, as empresas «ainda não repuseram os direitos retirados», nomeadamente prémios de línguas, de assiduidade, produtividade e ajudas de custo.

A estrutura sindical denuncia que, apesar das queixas das empresas e associações patronais, relativamente à perda de trabalhadores durante a pandemia de Covid-19 e das dificuldades para recrutarem novos trabalhadores, foram as empresas que procederam a despedimentos em massa, sem pagarem os devidos direitos. Ao mesmo tempo, acusa as associações patronais e as empresas de pagarem «salários muito baixos» e de imporem condições de trabalho «inaceitáveis».

A Fesaht e os seus sindicatos filiados já apresentaram propostas às associações patronais do sector para a revisão do salário em 2022, mas, denuncia num comunicado, estas «recusaram negociar ou apresentaram propostas de miséria».

As «únicas propostas de aumentos salariais» apresentadas aos sindicatos são, «para a esmagadora maioria dos trabalhadores», de cinco ou seis euros, para tabelas que «não são revistas há três anos», frisa.


Com agência Lusa

Tópico