|precariedade

Sindicato trava despedimentos na Casa da Moeda

Os dez trabalhadores com contratos temporários tinham sido despedidos ao arrepio das recomendações do Governo, situação que foi denunciada pelo Sinttav.

Os trabalhadores da INCM cumpriram hoje greve das 14h às 18h
Créditos / INCM

Depois de ter tomado conhecimento desta situação, o Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Telecomunicações e Audiovisual (Sinttav/CGTP-IN) «não queria acreditar» que, contrariando as recomendações do Governo, o Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM), empresa com capitais exclusivamente públicos, despedira dez trabalhadores com contratos temporários, com efeitos imediatos.

Em nota à imprensa, o sindicato afirmava que o caso era tanto mais «incompreensível» porquanto o serviço de produção que vinha a ser desempenhado por aqueles trabalhadores temporários poderia continuar a laborar, apesar da pandemia.

Após a denúncia e exigência de reanálise dessa situação, feita através de uma carta dirigida ao presidente do INCM, a direcção garantiu que a situação seria resolvida.

Os dez trabalhadores até hoje ao serviço da Multitrave e da Grandalvo vão continuar a receber o salário, pago agora pelo INCM. E, em breve, cinco deles vão ser efectivados na empresa, para cujo efeito já estão a ser contactados, refere hoje o sindicato.

«É uma solução importante, garantindo o princípio defendido pelo Sinttav de que a um posto de trabalho permanente deve corresponder um emprego fixo, combatendo-se assim a precariedade laboral», pode ler-se na nota.

Tópico