|1.º de Maio

Na rua, em defesa de direitos e salários

A CGTP comemora em todo o País o 1.º de Maio, nomeadamente no Porto (Av. dos Aliados) e em Lisboa (concentrações a partir do Campo Pequeno e dos Anjos, para a Alameda Afonso Henriques), ambas às 15h.

Centenas de activistas e dirigentes sindicais cumprem as regras de distanciamento nas celebrações do 1.º de Maio, na Alameda Afonso Henriques, em Lisboa, a 1 de Maio de 2020
Centenas de activistas e dirigentes sindicais cumprem as regras de distanciamento nas celebrações do 1.º de Maio, na Alameda Afonso Henriques, em Lisboa, a 1 de Maio de 2020CréditosPaulo António

Estas iniciativas de comemoração do Dia Internacional do Trabalhador, que vão decorrer em todos os distritos do continente e nas regiões autónomas, têm como pano de fundo a luta dos trabalhadores pelos seus direitos, pelo emprego e por melhores salários, em defesa da contratação colectiva e da melhoria dos serviços públicos.

Entretanto, o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) convocou para este 1.º de Maio um dia de luta nas empresas de distribuição, pelo direito a não trabalhar neste dia, mas também pelo aumento dos salários e pela negociação do respectivo Contrato Colectivo de Trabalho, sem bancos de horas nem retirada de direitos.

O CESP denunciou também o facto de o El Corte Inglés, pela primeira vez desde que se instalou no nosso País, decidir abrir no Dia Internacional do Trabalhador. Nesse sentido, os trabalhadores estarão em piquete na manhã deste 1.º de Maio nas duas principais lojas da empresa. Cerca das 10h realizam uma concentração na loja da Avenida António Augusto de Aguiar, em Lisboa, que contará com a presença da secretária geral da CGTP-IN, Isabel Camarinha.

Tópico