|cultura

Fórum sobre direitos laborais na Cultura

Quinze associações, sindicatos e grupos informais organizam o evento que decorrerá no próximo domingo, dia 18, em Lisboa, para esclarecimento e discussão sobre os problemas do sector.

CréditosJosé Coelho / Lusa

«A pandemia obrigou, em Março, à paragem forçada de grande parte dos sectores de actividade, mas teve no sector da Cultura um dos maiores impactos, com consequências que continuam hoje e cujo final se desconhece», pode ler-se na nota divulgada pelo Sindicato dos Trabalhadores de Espectáculos, do Audiovisual e dos Músicos (CENA-STE/CGTP-IN).

O evento do próximo domingo contará com sessões de esclarecimento sobre direitos laborais, protecção social e regimes de outros países, e com um plenário para debater as mudanças necessárias e terá lugar no Mercado das Culturas, em Lisboa.

Lembrando que o sector da Cultura foi dos primeiros a parar e será dos últimos a recuperar a actividade habitual, as estruturas afirmam que a desregulação laboral e a falta de protecção social tiveram consequências devastadoras para quem trabalha nesta área. 

«Tomámos consciência de que não há redes de protecção na cultura, que a necessidade de trabalhar nos obriga a aceitar relações laborais ilegais e remunerações injustas, e que precisamos de ter ferramentas e união para valorizar uma classe trabalhadora, que não deixa de cumprir os seus deveres, mas que precisa, igualmente, de ter direitos», referem as associações promotoras.

Para além do CENA-STE, a iniciativa tem como organizadores a Plateia, a Associação Portuguesa de Realizadores, o Manifesto em Defesa da Cultura e a Performart, entre outros.

Tópico