|indústria automóvel

Falta de componentes não é culpa dos trabalhadores

Os trabalhadores não podem ser prejudicados pela especulação dos preços pelos grandes fornecedores que leva a dificuldades de abastecimento no sector automóvel, afirma a Fiequimetal.

Trabalhadores a operar na empresa PSA Citroen em Mangualde.
Trabalhadores a operar na empresa PSA Citroen em Mangualde. CréditosNuno André Ferreira / LUSA

Em comunicado, a Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas e Eléctricas (Fiequimetal/CGTP-IN) alerta para o facto de serem «contraditórias» as razões que estão na origem da falta de componentes destinados ao sector automóvel, à electrónica de consumo e à produção de material eléctrico. «Os motivos do problema vão desde dificuldades de abastecimento à especulação dos preços pelos grandes fornecedores», afirma.

Depois da Autoeuropa, também a PSA de Mangualde e a Bosch de Braga já interromperam a produção ligada ao automóvel devido à escassez de semi-condutores.

Contudo, a estrutura sindical defende que as medidas de resposta não podem recair sobre os trabalhadores, seja por via do recurso ao lay-off, que penaliza os salários e o orçamento da Segurança Social, seja pelo aproveitamento que o patronato procura fazer, para recusar aumentos de salários.

A Fiequimetal considera ainda que as perturbações no fornecimento de componentes é resultado de «uma guerra entre empresas» e que não pode ser motivo para que multinacionais como a Bosch, a Fico Cables, a Apico ou a Continental Mabor, entre outras, prejudiquem os trabalhadores, pelo que exige a intervenção do Governo.

Tópico