|greve

Empresa aumenta salários e depois diz que foi «engano»

Os trabalhadores da Opção Eleita, concessionária do serviço de refeições do bar do Hospital de São João (Porto), vão fazer greve, dia 17, contra a «redução dos salários» e pelos direitos.

Entrada do Hospital de São João, no Porto 
Entrada do Hospital de São João, no Porto Créditos / CGTP-IN

Em Maio, a concessionária do serviço de refeições do bar do Hospital de São João aumentou os salários dos trabalhadores de 705 para 755 euros, mas depois disse que era «engano», revela em nota o Sindicato da Hotelaria do Norte (CGTP-IN).

Aos trabalhadores, a empresa disse que «aplicou uma contratação colectiva que não era aplicável» e «ameaçou descontar o valor pago», informa o sindicato, acrescentando que a empresa não o fez devido à reacção dos trabalhadores. No entanto, «no mês seguinte reduziu o salário novamente para os 705 euros».

Como retaliação – informa ainda a estrutura sindical –, a Opção Eleita deixou de pagar o subsídio de alimentação nas férias, «que sempre pagou e que é um direito consagrado no CCT [contrato colectivo de trabalho]».

Além disso, «ilegalmente», procedeu à alteração dos horários de trabalho sem o acordo dos trabalhadores.

Foi neste contexto que os trabalhadores realizaram uma greve, «com adesão total», no passado dia 7 de Julho e anunciaram a realização de outra no próximo dia 16, indica a organização sindical em comunicado.

Com a acção de luta, os trabalhadores manifestam a sua oposição à redução do salário mensal e à retirada do direito ao subsídio de alimentação nas férias.

Defendem, para além disso, aumentos salariais justos e outros direitos.

Tópico