|CTT

Carteiros de Alcobaça e Nazaré exigem contratação de mais pessoal

Desde o dia 5 deste mês, os carteiros do Centro de Distribuição Postal de Alcobaça e Nazaré estão a cumprir uma greve à primeira hora de trabalho diária, em luta contra a falta de pessoal, face ao aumento de trabalho. O protesto prolonga-se até dia 29.

Os carteiros do Centro de Distribuição de Alcobaça e Nazaré exigem a contratação de mais pessoal e melhores condições de trabalho
Os carteiros do Centro de Distribuição de Alcobaça e Nazaré exigem a contratação de mais pessoal e melhores condições de trabalho CréditosManuel Almeida / Agência Lusa

Em declarações ao periódico Região de Cister, Dina Serrenho, do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT/CGTP-IN), explicou que, «no total de 26 trabalhadores, três deslocados, dois condicionados e um a tempo parcial, há duas dezenas que estão a cumprir greve diária sobre a primeira hora de trabalho, que varia entre as 7h e as 9h».

Os trabalhadores dos CTT exigem a contratação de «mais pessoal», de modo a responder «às exigências da empresa» e ao «padrão de qualidade de trabalho prestado à população», referiu a dirigente sindical, acrescentando que os carteiros se sentem «pressionados» e acusando os CTT de fazerem «ouvidos moucos» às preocupações manifestadas pelos trabalhadores, nomeadamente no que se refere à «insuficiência de pessoal face ao aumento de trabalho».

A última reestruturação dos giros e o facto de haver «mais três voltas com 80 quilómetros cada» levaram ao crescendo do protesto. «É humanamente impossível aguentar os ritmos de trabalho impostos e a sobrecarga de trabalho», disse ao Região de Cister a dirigente sindical, defendendo que, «para garantir os serviços mínimos à população», seriam necessários, pelo menos, mais cinco trabalhadores.

Dina Serrenho estima que «mais de 40 mil correspondências estejam "encaixotadas"», havendo casos de «pessoas que só estão a receber correspondência uma vez por semana». As situações mais preocupantes ocorrem nas nas freguesias de Aljubarrota, Nazaré e Famalicão.

Para os próximos dias 21 e 22, está marcada uma greve geral dos trabalhadores dos CTT, que lutam precisamente pela contratação de mais pessoal. Outras reivindicações são «a reversão da privatização» da empresa, a «defesa dos postos de trabalho» e «melhores condições de trabalho».

Tópico