|administração pública

Aumentos na Administração Pública são insuficientes

A Frente Comum considerou hoje que a nova proposta de aumentos salariais do Governo é insuficiente e «uma gota de água» no Orçamento do Estado.

Sebastião Santana, coordenador da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública (CGTP-IN)
Sebastião Santana, coordenador da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública (CGTP-IN) CréditosTiago Petinga / Lusa

«No mundo do Orçamento do Estado, isto é uma absoluta gota de água», disse o dirigente da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública (CGTP-IN), Sebastião Santana, à saída de uma reunião no Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública, em Lisboa, sobre aumentos salariais para 2021.

Segundo Sebastião Santana, a proposta apresentada hoje pela ministra Alexandra Leitão, de igualar a base remuneratória ao salário mínimo nacional (665 euros) e de aumentar em 10 euros os níveis salariais seguintes até aos 791,91 euros, terá um impacto orçamental de «41 milhões de euros».

«Todos os outros trabalhadores ficam com o salário estagnado», criticou o dirigente da Frente Comum.

Sebastião Santana adiantou que o Governo defende que «não tem disponibilidade orçamental» para aumentar mais os funcionários públicos, mas «há rubricas no Orçamento do Estado que provam precisamente o contrário», como os 1550 milhões de euros para as Parcerias Público Privadas, exemplificou.

A Frente Comum vai reunir para decidir se irá pedir reunião suplementar ao Governo, disse Sebastião Santana, acrescentando que a estrutura sindical «não tem por hábito abandonar mesas negociais».


Com agência Lusa

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui