|Serviço Nacional de Saúde (SNS)

SNS: Ao invés de acudir, Governo opta por sacudir responsabilidades

Foi hoje anunciado pela ministra da Saúde a criação de uma comissão para avaliar e auditar administradores dos hospitais do SNS. Ao invés de investir e preencher as lacunas necessárias do SNS, o Governo fará pressão sobre os profissionais. 

CréditosAntónio Pedro Santos / Lusa

Foi hoje, na comissão parlamentar da Saúde, que Ana Paula Martins, ministra da Saúde, anunciou ao que veio. A nova ministra acabou por revelar que o Governo vai criar uma comissão para acompanhar e auditar os conselhos de administração dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

A intenção desta medida que visa os profissionais de saúde é, segundo Ana Paula Martins, supostamente, «apoiá-los, é ajudá-los a cumprir a sua missão”, sendo que é a própria que nunca refere o aumento do investimento no SNS de forma a dar as condições necessárias à resposta atempada aos utentes. 

Esta tentativa de colocar o ónus da culpa nos administradores hospitalares ficou bem patente quando a ministra questionou a recusa de horas que vários médicos realizaram: «Porque é que temos hospitais, e não vou dizer qual, que em Janeiro já tinha pediatras a entregar o papel das 150 horas e das 250 horas. E não aconteceu nada? Não se fez nada? E achou-se normal que isto acontecesse? E estivesse até agora à espera que fechasse a urgência de pediatria? Isso são bons líderes? Não, não são. E como não são tem de haver escrutínio, tem de haver avaliação».

Ficou claro aquilo que já podia ser entendido no Programa de Governo e que já foi aplicado noutros governos de direita, ou seja, a criação de avaliações aos profissionais tendem a criar um clima de perseguição e, com isso, arranjar “bodes expiatórios” para as más políticas governamentais. 

Importa destacar que Ana Paula Martins nunca colocou o problema do modelo de gestão dos hospitais, algo que tanto a Federação Nacional dos Médicos ou o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses têm vindo a levantar como assunto a resolver. 

Como frase desta comissão, fica ainda para a história o momento em que a ministra disse «Não somos o Ministério do SNS, somos o Ministério da Saúde», algo que articulado com uma falsa preocupação pelos doentes, abre espaço para a intensificação de benefícios aos grupos privados do negócio da doença. Fica evidente que este Governo tem a missão de hostilizar os profissionais do SNS e destruir este sector de Saúde, servindo os interesses dos grandes grupos económicos.  
 

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui