|Orçamento do Estado

Rui Rio quer cortes nos serviços públicos em 2018

O presidente do PSD quer que o défice deste ano seja «substancialmente menos que 0,9%» e ainda uma redução da carga fiscal – através da «racionalização da despesa do Estado».

O presidente do PSD, Rui Rio, durante uma visita aos Bombeiros Voluntários de Arganil. 26 de Março de 2018
O presidente do PSD, Rui Rio, durante uma visita aos Bombeiros Voluntários de Arganil. 26 de Março de 2018CréditosNuno André Ferreira / Agência LUSA

Rui Rio já fixou a meta do défice para 2018 e quer que este fique «substancialmente» abaixo de 0,9% do Produto Interno Bruto (PIB). Em declarações à Lusa e à TVI, na sede do partido esta tarde, disse mesmo esperar um défice zero em 2019, ao mesmo tempo que pede uma redução da carga fiscal.

Apesar de falar em «reduções pequeninas», o novo presidente do PSD quer que isso seja feito ao mesmo tempo em que é feita a redução do défice. A solução, para Rio, é criar «um programa de racionalização da despesa do Estado». O nome, porventura ainda não definitivo, ressoa muito próximo do «Plano de Redução e Melhoria da Administração Central» – o nome dado ao plano de implementação das imposições da troika pelo governo do PSD e do CDS-PP, em 2011.

Ao fim de um mês turbulento ao leme do PSD, em que viu três dos dirigentes escolhidos por si envolvidos em investigações judiciais e em que acabou mesmo por perder o secretário-geral, Rui Rio parece ter encontrado estabilidade nos números das contas públicas e começou a desenhar a sua nova proposta política. No entanto, a única novidade é sair da sua boca, porque o conteúdo não mudou relativamente aos últimos anos com Passos Coelho.

Se a «racionalização da despesa do Estado» tem significado sempre o corte nos orçamentos dos serviços públicos, a redução de impostos parece apontar claramente para a descida do IRC, almejada e prometida pelo anterior governo ao patronato – já que em matéria de IRS, este ano haverá lugar a uma redução para grande parte dos contribuintes.

Tópico