|OE2023

Fenprof. Proposta de Orçamento reduz salário real e financiamento público

A Federação Nacional de Professores (Fenprof/CGTP-IN) admite que a proposta de Orçamento do Estado para 2023 «mantém fortes penalizações» à classe e representa uma nova perda do poder de compra. 

Delegados e dirigentes dos sindicatos que integram a Federação Nacional de Professores (Fenprof/CGTP-IN) protestaram contra um «orçamento restritivo para a Educação, o Ensino Superior e a Ciência» em frente à Assembleia da República, a 29 de Outubro de 2020, primeiro dia do debate na especialidade do Orçamento de Estado para 2021
Créditos / Fenprof

Numa apreciação ao documento apresentado pelo Governo, a estrutura sindical denuncia, através de comunicado, que, no que toca a professores e educadores, «não representa mais do mesmo, mas menos ainda», acrescentando que, em relação aos salários, «o que se prevê é uma nova perda de poder de compra, em cima de mais de uma década sempre a perder».

No que se refere à carreira docente, a Federação entende que a proposta do Executivo «passa completamente ao lado dos problemas, não prevendo verbas que permitam recuperar o tempo de serviço congelado, corrigir os abusos e ilegalidades nos horários de trabalho, nem rever o regime de avaliação de desempenho». Na opinião daquela estrutura sindical, passa igualmente ao lado de «eliminar as quotas para progressão na carreira, compensar o desgaste acrescido no exercício da profissão em regime de monodocência ou investir no rejuvenescimento do corpo docente».

Por outro lado, acusa, «também não se vê neste orçamento nenhuma intenção de combater a precariedade ou de instituir incentivos à colocação de docentes em zonas para as quais é necessário atrair professores».

A Fenprof afirma que em termos de financiamento público da Educação, este Orçamento do Estado «vai manter Portugal no pelotão da rectaguarda», já que «em despesa total consolidada, a Educação recua 7,6%, passando dos 7502,4 milhões estimados em 2022 para 6933,3 milhões de euros orçamentados para 2023».

A Federação Nacional de Professores acusa o Governo de justificar o recuo de 569,1 milhões de euros no financiamento público da educação com as transferências de competências no âmbito da municipalização da Educação e que, ainda assim, ficam a faltar acima de 1976 milhões de euros para atingir a média dos países da OCDE.

«Isto significa que o financiamento público da Educação, inscrito no OE2023, deveria ser da ordem dos 9478 milhões de euros. Mas não é. Pelo contrário, está muito longe disso, caindo para os 3% do Produto Interno Bruto (PIB), metade do que é recomendado no plano internacional», argumenta.

A Fenprof diz que «assim não pode ser» e que «a luta dos professores se torna inevitável», já que o Governo, apesar de admitir a crescente falta de docentes e a necessidade de tornar atractiva a profissão, «no entanto, quando chega o momento de tomar medidas, de investir na profissão, de resolver os problemas da carreira, da precariedade, dos horários de trabalho ou da aposentação, que são, verdadeiramente, os que estão na base dessa falta de atratividade, não há qualquer medida que seja proposta ou aceite por parte da tutela».

Na segunda-feira, dia em que foi conhecida a proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano, a Fenprof anunciou uma greve ao sobretrabalho e ao serviço extraordinário a partir do dia 24 deste mês para exigir a correcção de «abusos e ilegalidades» nos horários de trabalho.

Tópico