|salário mínimo nacional

Costa quer esperar por 2023 para 750 euros de salário mínimo

O aumento dos salários é uma das questões cruciais que se coloca esta legislatura que inicia. A CGTP-In e o PCP já reagiram classificando esta meta de «insuficiente» e apelam à luta dos trabalhadores.

XXII Governo Constitucional. Lisboa, 26 de Outubro de 2019
XXII Governo Constitucional. Lisboa, 26 de Outubro de 2019 CréditosRODRIGO ANTUNES / EPA / Agência Lusa

Na tomada de posse do Governo, hoje, o primeiro-ministro definiu como meta de 750 euros para o salário mínimo nacional, para o termo da legislatura, colocando a tónica no necessário entendimento em sede de concertação social. O relegar desta competência que é do Governo tem sido praticada por sucessivos Executivos, sujeição essa que tem permitido aos patrões imporem um ritmo significativamente mais brando no que respeita a aumentos salariais.


O secretário-geral do PCP afirmou hoje, num comício do seu partido, que tal meta «é insuficiente» e prometeu que os comunistas estarão no «combate por novos avanços», em particular pela sua proposta dos 850 euros para o salário mínimo nacional e pelo aumento geral dos salários para todos os trabalhadores, que considera ser uma «emergência nacional».

Para Arménio Carlos, o secretário-geral da CGTP-IN, é preciso «ir mais além» e refere que a valorização salarial seria importante tanto para os trabalhadores, como também permitiria beneficiar as empresas, que ganhariam com a dinamização da procura no mercado interno.

Tópico