|transportes públicos

Passe único na AML com máximo de vendas em Setembro

As vendas do passe único Navegante ultrapassaram os 720 mil títulos em Setembro. É um novo máximo desde a introdução dos tarifários que desencadearam uma autêntica revolução nos transportes públicos.

Créditos / Câmara Municipal de Setúbal

O passe único Navegante da Área Metropolitana de Lisboa (AML), incluindo Setúbal, registou em Setembro o valor mais elevado de sempre desde a entrada em vigor dos novos tarifários, com vendas que ultrapassaram os 720 mil títulos. A informação é do Serviço Municipal de Comunicação e Imagem do município setubalense e apoia-se em comunicado emitido pela AML.

A vigorar desde início de Abril, o Navegante constitui a maior alteração tarifária feita em Portugal desde a criação do Passe Social, em 1977, representando uma redução significativa do preço dos títulos de transportes para a generalidade dos passes, intermodais, próprio e combinados, vendidos mensalmente nos municípios da AML.

Em Setembro foram vendidos 723 129 passes, com destaque para o Navegante Metropolitano, que permite utilizar os serviços de transporte público regular de passageiros em todos os 18 municípios da Área Metropolitana de Lisboa. Adicionando os ingressos na modalidade Navegante 65+, o passe Navegante Metropolitano representa 75% do total de vendas.

«Em comparação com Maio, mês em que se tinha registado o maior volume de vendas desde a implementação desta reforma nos tarifários dos transportes públicos na AML, com 687 777 passes Navegante, registou-se um aumento de 5,1 por cento em Setembro», lê-se na nota.

Depois de, durante os meses de Abril, Maio e Junho, o número de passes Navegante vendidos na AML ter apresentado um crescimento médio de 4,8% relativamente ao período homólogo do ano anterior, a procura em Setembro, com um crescimento de 25,5% relativamente a 2018, representa um significativo salto qualitativo relativamente ao período em que apenas vigoravam os passes sociais.

O crescimento foi ainda mais elevado no que diz respeito aos cartões Lisboa Viva, suporte físico que possibilita o carregamento dos passes Navegante. Em Setembro foram vendidos mais de 80 mil, um aumento de 34% em relação a 2018. Para a AML, esta tendência significa que «continua a haver, todos os meses, novas adesões» que se traduzem «em cada vez mais utilizadores frequentes» do serviço público de transporte de passageiros.

O comunicado da AML sublinha que, apesar de provisórios, estes números revelam «a importância da implementação do novo sistema tarifário como medida de incentivo à utilização regular do transporte público».

O bilhete Navegante Família, criado em Julho passado, é uma das variantes mais recentes do novo sistema de passes e representa 2% das vendas, mas a AML aponta uma «tendência crescente» na sua procura. Esta modalidade permite que três ou mais membros de um agregado familiar, com residência na Área Metropolitana de Lisboa, paguem no máximo o valor de dois títulos mensais.

Em Setembro foram ainda requisitados mais de 11 mil passes Navegante 12, que permite a utilização gratuita dos transportes para todas as crianças até aos 12 anos de idade, ou seja, até ao último dia do mês em que a criança celebra 13 anos.

Navegante Municipal é o segundo bilhete mais vendido, Setúbal comparticipa com dois milhões

O segundo bilhete mais requisitado em Setembro, a seguir ao Navegante Metropolitano, é o Navegante Municipal, que representa 16% das vendas, refere o comunicado da AML.

O Navegante Municipal, com a designação de cada concelho e o custo de 30 euros, é uma alternativa económica ao Navegante Metropolitano para deslocações nos transportes colectivos dentro de cada concelho da AML.

As famílias podem optar pelo Navegante Municipal Família, que permite a todos os membros do agregado familiar – elementos ascendentes e descendentes do agregado familiar, cônjuges, pessoas em união de facto, crianças e jovens em regime de adopção e de tutela – a circulação, nas linhas dentro do limite geográfico do concelho seleccionado, com um custo mensal máximo de 60 euros. Na variante metropolitana este título custa 80 euros.

A implementação desta reforma nos tarifários dos transportes públicos na AML implica um investimento da parte de cada um dos 18 municípios que a integram. Só o Município de Setúbal, faz notar o comunicado recebido, comparticipa com mais de dois milhões de euros anuais para a concretização de uma das mais importantes conquistas da legislatura finda.

Tópico