|Escola Pública

Estudantes do Monte de Caparica em luta por obras, aquecimento e funcionários

Centenas de estudantes da Escola Básica do Monte de Caparica concentraram-se esta manhã para exigir ao Governo medidas para garantir mais condições materiais e humanas, e em defesa da Escola pública.

CréditosValter Abreu / AbrilAbril

«Não há condições» foi uma das palavras de ordem mais ouvidas na acção de luta realizada hoje, uma demonstração de descontentamento pelos alunos com as consequências práticas resultantes da falta de financiamento à Educação pública.

O protesto realizou-se na sequência de uma «discussão alargada» entre os estudantes que não se conformam com algumas promessas «mas nenhuns resultados», explicam numa nota enviada à imprensa.

Exigem ao Governo que «tome as medidas necessárias para o cumprimento da Constituição da República Portuguesa», de modo que se consagre o «direito a uma Escola Pública de qualidade para todos», avançam ainda no documento.

As razões que estiveram na base do protesto passam pela necessidade da realização de obras, porque chove nas salas de aulas, do arranjo do pavimento exterior, de melhor qualidade e maior quantidade de comida na cantina, de contratação de mais funcionários, uma vez que a falta destes trabalhadores resulta na falta de higiene das casas de banho, e de aquecimento nas salas de aula.

Na rede social Instagram, os estudantes que participaram na acção de luta explicam que «é inaceitável que chova dentro das salas de aula e que fique tudo alagado pelo pavimento estar em mau estado». E reivindicam «uma resposta efectiva por parte do Ministério da Educação, com o financiamento necessário».

Bruno Dias, deputado do PCP, esteve presente no local, dando conta da sua solidariedade com esta acção de luta e com as exigências dos estudantes.

Tópico