|Beja

Câmara de Beja deixou cair promoção do Cante Alentejano

No 6.º aniversário do reconhecimento do Cante Alentejano como Património Cultural e Imaterial da Humanidade, a CDU denuncia que o Executivo PS na Câmara de Beja deixou cair a estratégia de promoção. 

Créditos / NiT

A coligação PCP-PEV recorda num comunicado que, em 2015, foi aprovada na Assembleia Municipal de Beja a classificação do Cante Alentejano pela UNESCO como Património Cultural Imaterial de Interesse Municipal, «que passaria por promover um conjunto de iniciativas capazes de criar dinâmicas de futuro», e apostar na projecção local, nacional e internacional.

No âmbito desta estratégia, o Município concretizou o projecto «Cante nas escolas», a fim de criar raízes desta prática nas idades mais jovens, rentabilizando artistas e músicos locais.

Através de protocolos com os agrupamentos de escolas, o anterior executivo, de maioria CDU, pretendia integrar esta actividade de ensino no plano de actividades da escola, inserindo-a na componente lectiva regular. 

Também os grupos corais «foram apoiados na sua actividade», quer através de subsídios à actividade regular, quer apoiando as suas deslocações, «através da cedência de transportes», mas também na aquisição de fardamento e gravação de CD. 

Sucede que, «demonstrando uma enorme falta de sensibilidade sobre todo o processo que envolveu esta candidatura, em relação à qual, aliás, votou contra», o Executivo do PS na Câmara Municipal de Beja «não foi capaz de dar continuidade a nenhum dos objectivos desta estratégia».

Os eleitos da CDU registam que as medidas de salvaguarda «constituem um mecanismo que pretende assegurar a identidade musical da região e a sua perpetuação geracional», salientando iniciativas como a constituição de um arquivo vivo do cante, centros de documentação, sua divulgação e ensino, e definição de uma rede de estruturas culturais do cante.

Atendendo a que «tudo isto ficou pelo caminho», instam o Executivo a tomar medidas imediatas que valorizem este património mundial, fomentando o envolvimento de todos os agentes e actores do cante, grupos corais, autarquias, instituições e pessoas singulares, de forma a prosseguir a dinâmica criada aquando da candidatura.

Tópico