|França

Sob investigação, RT France alerta para «ataque à liberdade de imprensa»

De acordo a imprensa francesa, o regulador Arcom lançou um inquérito sobre a «forma como a RT France trata a informação». O canal russo assinalou o timing «perfeito», depois do que se passou na Alemanha.

CréditosVitaly Belousov / Sputnik

Na sua página de Internet, o canal russo em língua francesa denuncia que se trata de «uma nova tentativa de obstruir o nosso trabalho», lembrando ainda o caso recente de «censura» na Alemanha contra a RT DE. «A existência de uma diversidade de pontos de vista nos media ocidentais é assim tão perturbadora?», questiona.

Na sua edição de 3 de Fevereiro, a revista francesa Challenges revelou que o Arcom tinha lançado uma investigação preliminar sobre o «tratamento da informação» por parte da RT France.

De acordo com o periódico, diversas «associações» – não designadas – alertaram o regulador para alegadas omissões do canal russo na cobertura dos protestos dos Coletes Amarelos, da situação na Síria ou da República Centro-Africana.

Questionado ontem à tarde, o regulador afirmou que «a análise do dossiê» estava em curso, afirma a RT France, lembrando que o «empenho» de figuras, organizações e órgãos de comunicação social contra o canal russo não são novos em França, sem que o regulador alguma vez tenha punido o canal.

Para Ksenia Fedorova, chefe de redacção da RT France, trata-se de uma «acção planeada, uma vez que a informação sobre o início do processo relativo ao canal surgiu no dia seguinte à interdição da transmissão da RT DE», na Alemanha.

Na sua conta de Twitter, a responsável destaca precisamente o timing e afirma: «damos as boas-vindas a um novo mundo de censura».

A notícia foi divulgada um dia depois de a agência federal alemã ZAK ter declarado a proibição da emissão do canal RT em alemão, alegando a falta de uma licença obtida no país.

No entanto, a RT DE operava na Alemanha com uma licença sérvia, obtida em 2021, que lhe permitia transmitir em vários países, incluindo a Alemanha, ao abrigo da Convenção Europeia sobre Televisão Transfronteiriça (CETT), de que Berlim e Belgrado são signatários.

O Ministério russo dos Negócios Estrangeiros, que desde Dezembro vinha alertando para a possibilidade de assumir «medidas de reciprocidade», denunciou a medida e anunciou uma série de acções de retaliação, em que se inclui a proibição da transmissão da cadeia alemã DW.

Tópico