|Síria

Reconhecido cartunista sírio ganha prémio especial em Itália

Raed Khalil ganhou o Prémio Especial na secção artística do 24.º Concurso Internacional Fax para a Paz, em Itália, que contou com a participação de caricaturistas de todo o mundo.

Uma das obras do cartunista sírio Raed Khalil
Uma das obras do cartunista sírio Raed Khalil Créditos / irancartoon.com

O Prémio Especial da secção artística do evento foi atribuído ao cartunista iraniano Nahid Zamani e ao sírio Raed Khalil, que, no seu trabalho, abordou a realidade das crianças em situação de guerra e da assistência, muitas vezes limitada, que lhes é prestada por organizações internacionais devotadas à infância, refere a agência SANA.

Na categoria artística, o Primeiro Prémio foi a atribuído ao britânico Hossein Naghib. Na secção satírica, o vencedor da 24.ª edição do Concurso Internacional Fax para a Paz foi o chinês Xiao Qiang Hou, enquanto o sérvio Borislav Stankovic obteve o Prémio Especial.

Raed Khalil (1973), que trabalha no jornal Al-Baath e na televisão síria, é um grande dinamizador da caricatura no seu país, tendo participado em inúmeras exposições individuais e colectivas tanto a nível nacional como internacional.

Cartoon de Raed Khalil no 24.º Concurso Internacional Fax para a Paz, em Itália / raedcartoon.com

Galardoado com dezenas de prémios e certificados de reconhecimento, Raed Khalil está à frente do portal Syria Cartoon e é o director da Exposição Internacional de Caricaturas na Síria.

Sobre a 16.ª edição do evento, que o ano passado reuniu em Damasco mais de 500 obras, Raed Khalil disse à agência Prensa Latina que esta reflectia uma mensagem política de denúncia sobre a guerra injusta imposta ao povo sírio.

«O nosso evento transmite também uma mensagem política, uma vez que, através da caricatura, se mostra a verdade da injusta guerra imposta à Síria», declarou em Março de 2020.

O artista sírio também destacou como uma «conquista» o facto de Damasco acolher um evento desta dimensão, com a participação de caricaturistas de 70 países, quando passavam nove anos sobre o início da guerra de agressão.

Tópico