|Médio Oriente

Propaganda britânica encena a guerra da Síria

O «jornalismo cidadão» que alimenta a comunicação social corporativa sobre a guerra na Síria é, afinal, contratado e pago pelo governo britânico. As provas constam de documentos oficiais, expostos em fugas de informação.

Segundo o general Nick Carter, Chefe do Estado-Maior da Defesa do Reino Unido citado pelo «Middle East Eye», a 77ª Brigada do Exército Britânico usa plataformas de mídia social como Twitter, Instagram e Facebook, além de podcasts, análise de dados e pesquisa de audiência, para conduzir o que descreve como «guerra de informação», no Médio Oriente e na Síria em particular. Foto de arquivo
Segundo o general Nick Carter, Chefe do Estado-Maior da Defesa do Reino Unido citado pelo «Middle East Eye», a 77ª Brigada do Exército Britânico usa plataformas de mídia social como Twitter, Instagram e Facebook, além de podcasts, análise de dados e pesquisa de audiência, para conduzir o que descreve como «guerra de informação», no Médio Oriente e na Síria em particular. Foto de arquivo Créditos / Exército Britânico

A informação supostamente com origem na «oposição da Síria» divulgada pela comunicação social corporativa a propósito da guerra contra este país é gerada por um tentacular sistema de propaganda montado pelo governo britânico em conjunto com empresas privadas pertencentes a ex-oficiais das forças armadas e dos serviços secretos de Londres. As provas constam de documentos oficiais resultantes de fugas de informação recentes.

De acordo com elementos constantes dessa documentação, a operação tem como objectivo «dinamizar os valores e a reputação da oposição síria» para «minar a narrativa de legitimidade» do governo de Damasco, de modo a «promover os interesses estratégicos do Reino Unido na Síria e no Médio Oriente».

Esta estratégia de comunicação foi lançada pelo Comando Estratégico britânico (UKStratCom)1 na sequência de uma iniciativa do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Londres, que mantém a supervisão e delega a execução em empresas privadas contratadas para o efeito. O financiamento é suportado essencialmente pelos ministérios da defesa britânico, dos Estados Unidos e do Canadá.

A gestão directa do processo está entregue a um «antropólogo» dos sectores «anti-terroristas» do Ministério da Defesa, sob a tutela de Jonathan Allen, oficial do MI6, serviços de espionagem britânicos, e também número dois da delegação do Reino Unido no Conselho de Segurança na ONU.

«A proliferação do «jornalismo cidadão»; a criação de fontes de informação e de assessorias tornadas «fidedignas» e «indispensáveis», de que é exemplo o «Observatório Sírio dos Direitos Humanos», significativamente a funcionar em Londres; e a preparação de «porta-vozes» para transmitir os pontos de vista de uma «oposição», de facto, sem rostos credíveis, são caminhos explorados de uma maneira orgânica e tentacular e que moldam a informação dominante à escala global sobre a guerra contra a Síria»

A iniciativa desenvolveu-se a partir do momento em que a Câmara dos Comuns do Parlamento britânico decidiu, em 2013, que o Reino Unido não poderia participar em quaisquer operações militares em território sírio, ao contrário do que acontece com os Estados Unidos e a França. A medida parlamentar, no entanto, veio a ser violada pelas forças armadas através da participação no bombardeamento efectuado em 7 de Abril de 2017 contra território sírio – como «resposta» a um «ataque químico» que não existiu, como agora está plenamente provado; e também pela participação de pilotos militares britânicos, aos comandos de aviões de outras bandeiras, em acções aéreas contra a soberania síria.

Uma teia de intoxicação

A base da estratégia montada em Londres foi a seguinte: dar voz à «oposição síria» através de canais de comunicação montados por empresas privadas britânicas controladas por meios militares e de espionagem, por sua vez contratadas pelo governo do Reino Unido.

A proliferação do «jornalismo cidadão»; a criação de fontes de informação e de assessorias tornadas «fidedignas» e «indispensáveis», de que é exemplo o «Observatório Sírio dos Direitos Humanos»2, significativamente a funcionar em Londres; e a preparação de «porta-vozes» para transmitir os pontos de vista de uma «oposição», de facto, sem rostos credíveis, são caminhos explorados de uma maneira orgânica e tentacular e que moldam a informação dominante à escala global sobre a guerra contra a Síria.

Os «jornalistas cidadãos» sírios estão proibidos de prestar declarações públicas sem autorização prévia do Governo de Sua Majestade (HMG), além de serem pagos pelo mesmo. Na foto, extracto do documento obtido pelo Middle East Eye e divulgado por este a 19 de Fevereiro de 2020 Créditos

Os megafones privilegiados pelos gestores da rede são as estações de televisão, designadamente a Sky News, a BBC, especialmente os seus canais em árabe, a Al Jazeera do Qatar e a Al Arabyia da Arábia Saudita. A partir daí as mensagens tornam-se imparáveis, bebidas pela teia da informação corporativa sedenta por tudo quanto possa estigmatizar o governo legítimo de Damasco.

Os documentos governamentais revelam que, no âmbito da operação, o Ministério britânico dos Negócios Estrangeiros montou escritórios especiais em Istambul, Amã e ainda na cidade turca de Reyhanli para os quais foram seleccionados membros da diáspora «oposicionista» síria através das empresas privadas envolvidas no processo3.

«A tarefa dos contratados é, por exemplo, estabelecer a rede de «jornalismo cidadão» através da Síria, integrando pessoas que, em muitos casos, nem sequer sabem que estão a ser pagas por governos estrangeiros. Devem produzir textos, pequenos vídeos, programas de rádio, posters, até banda desenhada para plataformas, blogues, redes sociais – um abundante manancial capaz de «expor os crimes, os fracassos, os erros do regime de Assad». Os membros da rede recebem entre 50 e 200 dólares por peça, supostamente pagos por «organizações de oposição»; o dinheiro, no entanto, escorre realmente de um orçamento mensal de um pouco mais de 500 mil euros, financiado pelos ministérios da defesa do Reino Unido, Estados Unidos e Canadá.»

A tarefa dos contratados é, por exemplo, estabelecer a rede de «jornalismo cidadão» através da Síria, integrando pessoas que, em muitos casos, nem sequer sabem que estão a ser pagas por governos estrangeiros. Devem produzir textos, pequenos vídeos, programas de rádio, posters, até banda desenhada para plataformas, blogues, redes sociais – um abundante manancial capaz de «expor os crimes, os fracassos, os erros do regime de Assad». Os membros da rede recebem entre 50 e 200 dólares por peça, supostamente pagos por «organizações de oposição»; o dinheiro, no entanto, escorre realmente de um orçamento mensal de um pouco mais de 500 mil euros, financiado pelos ministérios da defesa do Reino Unido, Estados Unidos e Canadá.

A gestão e o encaminhamento deste imenso espólio envenenado está nas mãos das empresas de comunicação que gerem os escritórios da Turquia e da Jordânia a rogo das autoridades britânicas.

Assim nasceram os Capacetes Brancos

Outra missão desta rede de propaganda é «promover a sociedade civil» nas zonas sob domínio da «oposição», leia-se terroristas da al-Qaeda e, durante muito tempo, também do Estado Islâmico, embora a documentação oficial fale sempre em «organizações moderadas». Em boa verdade, os terroristas «moderados» nunca foram relevantes e estiveram sempre sob o controlo operacional dos braços locais da al-Qaeda e do Estado Islâmico.

Um exemplo da construção dessa «sociedade civil» foi a criação de «polícias livres»4 e de organizações de «socorro humanitário», como por exemplo os Capacetes Brancos.

O tempo e os factos demonstraram que tais estruturas estiveram sempre ao serviço do terrorismo: os Capacetes Brancos, comprovadamente um braço da al-Qaeda, acabaram por tornar-se conhecidos pelas encenações de vários «ataques químicos», realizadas aliás pela Olive, uma produtora cinematográfica e agência de comunicação britânica, como as outras agregadas à gigantesca operação de propaganda, mentira e intoxicação.

O facto de os Capacetes Brancos terem sido fundados e dirigidos por um antigo agente dos serviços secretos britânicos, James Le Mesurier, não pode ser considerado, nestes contextos, uma pura coincidência. Assim como a circunstância de Le Mesurier ter falecido recentemente em Istambul, caindo de maneira muito suspeita da janela do seu escritório5.

Os meios de comunicação social nacionais e internacionais que se tornaram acriticamente clientes desta rede de mistificação – fruto da experiência secular do Império Britânico – não podem alegar que estão enganados ou são burlados na sua boa-fé.

O processo, no fundo, é clássico, apenas aprimorado pelas dinâmicas tornadas possíveis pelas novas tecnologias. E o seu funcionamento foi desmascarado desde o início da própria guerra de agressão, quando o jornalista espanhol Daniel Iriarte denunciou a encenação que foi a apresentação do «Exército Livre da Síria» em Jabal al-Zounia. Um corpo que deveria ser constituído por desertores do exército regular reuniu sobretudo mercenários «importados» da Líbia, sob a chefia operacional do dirigente terrorista Abdelhakim Belhadj, transferido entretanto do posto de comandante militar de Tripoli para o qual fora designado pela NATO. Daniel Iriarte identificou a trapaça e demonstrou que o corpo «revolucionário» era tutelado pelo coronel britânico Paul Tilley, antigo oficial do MI6. A encenação para apresentação do «Exército Livre da Síria», para que conste, foi montada pela empresa britânica Innovative Communications & Strategies (InCoStrat)6.

Porta-vozes amestrados

Outra área tutelada pelos escritórios britânicos em Istambul e Amã, integrada portanto na envolvente operação de propaganda, é a dos porta-vozes da «oposição síria». Tal como os «jornalistas cidadãos», são figuras recrutadas pelos contratados na diáspora síria, sempre sob o controlo dos responsáveis britânicos.

«De acordo com os documentos oficiais, os porta-vozes são seleccionados, contratados e treinados pelas mesmas agências de comunicação que gerem as assessorias de informação que trabalham 24 horas por dia, o expediente produzido pelos «jornalistas cidadãos» e pelas actividades dos «Capacetes Brancos» nas suas missões de «socorro humanitário». Uma vez em condições de exercer o cargo, porém, os porta-vozes da «oposição síria» cujos testemunhos correm mundo só podem usar da palavra depois de autorizados pelo consulado britânico em Istambul»

De acordo com os documentos oficiais, os porta-vozes são seleccionados, contratados e treinados pelas mesmas agências de comunicação que gerem as assessorias de informação que trabalham 24 horas por dia, o expediente produzido pelos «jornalistas cidadãos» e pelas actividades dos «Capacetes Brancos» nas suas missões de «socorro humanitário».

Uma vez em condições de exercer o cargo, porém, os porta-vozes da «oposição síria» cujos testemunhos correm mundo só podem usar da palavra depois de autorizados pelo consulado britânico em Istambul.

Os beneficiários deste sistema articulado e multidisciplinar de mistificação queixam-se de que o apoio britânico perdeu dinâmica quando mais precisavam dela, sobretudo a partir de 2015, ano em que a Rússia entrou na guerra a pedido do governo sírio. De facto registou-se uma alteração de forças em detrimento de «organizações de oposição» – grupos terroristas – que perderam os seus principais feudos urbanos; no entanto, ter-se-ão registado também dissonâncias estratégicas entre Londres e Washington associadas, ao que consta, às relações ambíguas entre os Estados Unidos e o Isis ou Estado Islâmico e também ao facto de a parte norte-americana, ao contrário da britânica, insistir no desmantelamento da Síria como país.

É fácil perceber, porém, que a operação de propaganda de matriz britânica continua activa. Basta observar a esta luz a cobertura que está a ser feita mundialmente sobre a «corajosa resistência da oposição» – a al-Qaeda apoiada por tropas regulares turcas – contra o assalto das tropas do «regime de Assad» – o governo soberano do país – à província de Idlib, por sinal o último reduto da organização de Bin Laden criada pela CIA e o MI6.

Por isso, qualquer semelhança entre a narrativa da guerra da Síria feita pela comunicação social corporativa e a realidade no terreno é pura coincidência.


Este artigo é um exclusivo O Lado Oculto/AbrilAbril

Tópico