|Escócia

Professores do Ensino Superior voltam à greve na Escócia

Docentes universitários de toda a Escócia estiveram em greve esta segunda-feira, após o falhanço «extremamente decepcionante» nas negociações. A luta por aumentos salariais vai continuar.

Professores em greve no Kelvin College, em Glasgow Créditos / @EISFela

Na quinta-feira passada, o College Employers Scotland (CES), que representa as universidades enquanto entidades empregadoras, disse que a sua proposta era «final» e recusou-se a avançar com base na proposta que a estrutura sindical apresentou para desatar o nó.

Desta forma, os professores filiados no sindicato EIS-FELA fizeram greve ontem e preparam-se para mais oito jornadas de luta, a nível nacional (Escócia), ao longo dos meses de Maio e Junho.

O conflito em torno de um salário justo remonta a 2022, com a organização sindical que representa os docentes do Ensino Superior a rejeitar os termos propostos pelo patronato, considerando que, sem aumentos há dois anos, eles levariam os professores a ser aumentados bem abaixo da inflação.

Cartaz no piquete de greve junto ao Kelvin College, em Glasgow / @EISFela

Além disso, o sindicato argumenta que a proposta de aumento salarial feita aos docentes universitários é inferior às realizadas a outros trabalhadores da administração pública, pelo que, se não houver «avanços concretos» nas próximas reuniões, as greves serão levadas a efeito.

Em declarações recolhidas pelo Morning Star, um representante sindical classificou como «extremamente decepcionante» o falhanço nas negociações da passada quinta-feira.

«Os professores universitários querem voltar às faculdades, dar aulas e ajudar os seus estudantes a obter as suas qualificações», disse.

«No entanto – frisou –, vão continuar a lutar por um aumento salarial adequado, que aborde algumas das dificuldades financeiras e o stress que tiveram de suportar durante a pior crise de custo de vida dos últimos tempos.»

Em Fevereiro, o EIS-FELA dinamizou uma jornada nacional de greve e de pressão no Parlamento de Edimburgo e, desde então, as greves têm sido realizadas de forma alternativa, abrangendo um determinado conjunto de faculdades de cada vez.

Além disso, a estrutura sindical adoptou a estratégia de visar os círculos eleitorais dos ministros que integram o governo escocês, realizando «acções específicas dirigidas a pessoas que têm capacidade para ajudar a resolver o conflito».

A decisão de avançar para este tipo de acções «nunca é tomada de ânimo leve, mas os docentes já esperam há um ano e meio por um acordo salarial, durante um período de grande crise do custo de vida», explicou em Março último uma dirigente sindical.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui