|EUA

Este pode ser

O ano de todos os perigos

Ele há eleições e eleições. Democráticas, pelos vistos, só aquelas em que ganhem candidatos aprovados em Langley. Este ano será atarefado para o Pentágono.

Protesto contra a continuação dos assassinatos na Colômbia.
Protesto contra a continuação dos assassinatos na Colômbia. CréditosFonte:Colombia.info

Demitiu-se o ministro holandês dos Negócios Estrangeiros por inventar uma suposta reunião que teria tido com Vladimir Putin onde o presidente russo lhe havia exposto as intenções de expandir territorialmente o seu país1.

Esta mentira, que era apenas mais um episódio na actual campanha de acusações contra Moscovo sobre manipulação de eleições, contrasta com a notícia que acaba de ser veiculada pelo The New York Times.

Desde que a CIA foi fundada, em 1947, os Estados Unidos interferiram em mais de 80 processos eleitorais noutros países.

«O que a CIA possa ter feito em anos recentes para manipular eleições estrangeiras ainda é secreto e pode não ser conhecido durante décadas»

SCOTT SHANE, THE NEW YORK TIMES, 17/02/2018

«Malas cheias de dinheiro entregues num hotel em Roma para favorecer candidatos italianos. Fugas de informação de escândalos em jornais estrangeiros para mudar uma eleição na Nicarágua. Milhões de panfletos, cartazes e autocolantes impressos para derrotar um responsável político na Sérvia», é assim que começa o artigo do jornal norte-americano. Ainda segundo a publicação, Washington interferiu nas eleições russas de 1996 para derrotar o candidato comunista Gennadi Ziuganov e dar a vitória a Boris Ieltsin.

Se Madrid se chamasse Ancara, e Moscovo fosse Bogotá...

Na mesma semana em que o Tribunal Europeu de Direitos Humanos condenou o Estado espanhol a indemnizar com 50 mil euros dois membros da ETA que acabaram no hospital depois de serem torturados, Madrid continua a apontar Moscovo como responsável por dar oxigénio aos independentismos basco e catalão. Não há uma única palavra sobre haver várias centenas de presos por motivos políticos nos cárceres espanhóis, desde músicos condenados pelas suas letras a internautas acusados de escreverem posts ofensivos no twitter.

«[Em Espanha] os tribunais dos quais o franquismo nunca foi saneado acederam à prisão de candidatos, de sindicalistas, de jornalistas, de estudantes e ao encerramento de rádios e jornais»

Se Madrid se chamasse Ancara e se Rajoy fosse Erdogan não faltariam páginas nos jornais para denunciar tamanhos atentados à democracia. Numa dezena de anos, os sucessivos governos espanhóis pediram a ilegalização de dezenas de partidos sob a acusação de serem apologistas do terrorismo. Os tribunais dos quais o franquismo nunca foi saneado acederam à prisão de candidatos, de sindicalistas, de jornalistas, de estudantes e ao encerramento de rádios e jornais. Acumulam-se centenas de denúncias de tortura. De gente que nunca havia pegado numa pistola na sua vida.

Se Moscovo fosse Bogotá, veríamos as televisões escandalizadas com uma campanha eleitoral em que são assassinados diariamente militantes de esquerda, sindicalistas, camponeses e indígenas num país que viu serem assassinados, nas últimas décadas, os candidatos presidenciais Jaime Pardo Leal, Luís Carlos GalánBernardo Jaramillo e Carlos Pizarro.

A CIA sem mãos a medir

Este ano, o quartel-general da CIA em Langley não deve ter mãos a medir. Para além das eleições na Rússia e em Itália, a Venezuela, a Colômbia e o Brasil vão estar no vórtice plebiscitário.

Que a oposição em Caracas tenha rejeitado participar nas presidenciais, a par das declarações bélicas dos responsáveis norte-americanos, pode fazer prever o recurso a uma intervenção militar para esmagar o chavismo. Só o recurso a forças militares estrangeiras pode dar à oposição aquilo que as sucessivas eleições, terrorismo de baixa intensidade e um golpe fascista derrotado, em 2002, não conseguiram. A aliança cívico-militar é um muro de contenção anti-imperialista.

«Este ano, o quartel-geral da CIA em Langley não deve ter mãos a medir. Para além das eleições na Rússia e em Itália, a Venezuela, a Colômbia e o Brasil vão estar no vórtice plebiscitário»

Por outro lado, a Colômbia, que tem sete bases norte-americanas no seu território, não tem agora de gastar parte dos seus recursos no combate às FARC. Um dado que não é de somenos importância nas forças armadas de um país que tinha mais soldados abatidos pela guerrilha que as tropas ocupantes no Afeganistão e no Iraque.

A isto, há que acrescentar o alinhamento do golpismo brasileiro com os interesses de Washington, a vitória de Sebastián Piñera no Chile e a traição de Lenin Moreno no Equador.

Tópico